sexta-feira, 17 de julho de 2020

Endêmico: entenda o que é o possível próximo estágio do novo coronavírus, por Danielle Sanches

Comentario biologico--todo ser humano é, em si, uma "bomba biologica ambulante". Manter o  controle e equilibrio interno (vacinas, alimentaçao e vida saudavel), entre os diversos virus e bacterias, equivale a "estar saudavel". Desequilibrou-se internamente? Ai ferrou, estas doente.
------------------------------------------------------------
OMS alertou nesta semana que o novo coronavírus pode se tornar endêmico no mundo.Imagem: iStock

Nesta semana, a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que não é possível prever quando, e se, o novo coronavírus (Sars-CoV-2) vai desaparecer, afirmando ainda que ele pode se tornar endêmico —igual a outros vírus, como o HIV.

"É importante colocar isso sobre a mesa. Esse vírus pode se tornar mais um vírus endêmico em nossa comunidade E pode nunca desaparecer. O HIV nunca desapareceu. Encontramos as terapias e as pessoas não têm mais o mesmo medo", disse Mike Ryan, especialista em emergências da OMS durante entrevista. "Precisamos ser realistas", afirmou.

O especialista ainda lembra que a descoberta da vacina não significa um controle rápido da doença. "A ciência pode vir com uma vacina. Mas depois teremos de oferecer a imunização e as pessoas vão ter de aceitar tomá-la", afirmou. "Cada etapa desse processo tem desafios", disse. "Não há promessas, nem datas, pode ser um problema de longo prazo ou não", insistiu.
Mas o que significa "endêmico"?
Quando estamos em uma pandemia, os casos de uma doença aumentam de forma aguda em várias localidades do planeta. A endemia, no entanto, não está relacionada a uma questão quantitativa. Uma doença endêmica é aquela que se manifesta com frequência em determinadas regiões, geralmente provocada por circunstâncias ou causas locais. Ou seja, a população convive constantemente com a doença.

A infecção endêmica está presente em uma área permanentemente, o tempo todo, durante anos e anos"Rosalind Eggo, especialista acadêmica em doenças infecciosas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres à BBC.

Segundo ela, um exemplo disso é a varicela que, em muitos países, tem casos registrados anualmente. Ou a malária, que em partes da África e do Brasil é uma infecção considerada endêmica. Por aqui, ainda consideramos endêmicas doenças como a dengue e a febre amarela, que provocam surtos em determinadas regiões todos os anos.
Surto, pandemia, endemia: quais as diferenças?
Antes, é preciso entender como funcionam os vírus. Esses microrganismos compostos apenas de uma cápsula protetora (geralmente de gordura) e material genético têm uma única razão de ser: encontrar um hospedeiro e se multiplicar.

Existem milhares de vírus que usam os humanos como hospedeiros, como o influenza (da gripe), o HIV (da Aids), o varicela-zoster (da catapora), e por aí vai. A evolução dessas contaminações e o aumento dos casos pode ser classificado assim:

Surto-Quando há um aumento inesperado no número de infecções em uma região específica (como, por exemplo, um bairro).

Epidemia-Quando os surtos começam a acontecer em várias localidades ao mesmo tempo, o problema é considerado uma epidemia; o quadro geralmente consiste em um pico no número de casos e depois uma diminuição neles.

Pandemia-Se o vírus passa a ser transmitido entre países, a doença é considerada uma pandemia. É o caso do novo coronavírus, que começou como um surto em Wuhan, na China, mas cresceu ao ponto de se tornar um problema global.

Endemia-Como já explicamos, ocorre quando uma doença se manifesta com frequência em determinadas regiões, geralmente provocada por circunstâncias ou causas locais.

Nenhum comentário: