sábado, 30 de abril de 2016

"La légion marche vers le front", chant du 2e REP--CAMERONE 2016

La recesión atenaza a América Latina por segundo año consecutivo, por JAN MARTÍNEZ AHRENS


Brasil, Argentina, Venezuela y Ecuador lastran la recuperación. La región no registraba una caída tan larga desde la crisis de la deuda de 1983



La contracción no tiene una causa única. En un ambiente mundial gélido, donde la recuperación avanza cuesta arriba, la atonía china, la caída de las materias primas y la vertiginosa crisis del petróleo han actuado como detonantes. Pero no agotan la explicación.América Latina no encuentra salida al túnel. Por segundo año consecutivo, la zona sigue en recesión. Un desplome que no se veía desde la crisis de la deuda de 1982-1983 y que da cuenta de la enorme resaca que sufre la región que tiempo atrás deslumbró al mundo con crecimientos del 5%. Muy lejos de aquellos días de abundancia, el Fondo Monetario Internacional (FMI) prevé para este año una caída del PIB del 0,5%. Brasil, Venezuela, Argentina y Ecuador, aunque con fuertes diferencias, concentran el golpe.

EL FMI alerta del riesgo de creer que la recesión afecta por igual a toda la zona. Por el contrario, una mirada más detallada revela que gran parte de la implosión se debe a la caída de unas pocas, pero significativas piezas del tablero. Entre ellas destaca Brasil. El gigante de América del Sur, lejos ya de la era de las burbujas y el confeti, se ha precipitado en el abismo. Con su clase política minada por la corrupción y la presidencia al borde del desfallecimiento, su economía se muestra incapaz de frenar la caída y repite números negativos (-3,8).
“La actividad económica se ha contraído debido a la escasa confianza de las empresas y los consumidores, el elevado nivel de incertidumbre respecto a la política interna, el debilitamiento de los precios de las exportaciones y la escasa competitividad”, indica el informe.


ampliar fotoste descenso, que combina de fragilidades macroeconómicas y errores políticos, Brasil no anda solo. Le supera con creces Venezuela. El ejemplo de todos los males para el FMI. Ahogada en una hiperinflación que llegará al 720% a finales de año, su recesión (-8%) es la mayor de Latinoamérica y un indicador claro de la vorágine en la que ha sumido el régimen chavista a la antigua perla petrolera.

“Las condiciones económicas de Venezuela no dejan de deteriorarse, con distorsiones políticas y desequilibrios fiscales que siguen sin resolverse. Su situación a medio plazo no es sostenible y exige un viraje sustancial. Los efectos sobre la salud y la calidad de vida empiezan a ser importantes”, advirtió el director del Departamento del Hemisferio Occidental del FMI, Alejandro Werner, quien presentó el informe en la Ciudad de México.
El club de la tristeza lo completan Ecuador, con un descenso del PIB de 4,5%, y el otro coloso austral: Argentina, con una caída de un punto. El pronóstico para este último país, sin embargo, tiene un mejor color que el de sus compañeros de viaje. El efecto Macri gusta al FMI. En su informe alaba su “ambiciosa transición” y sus medidas para reactivar la inversión y la competitividad. Desde la reducción del tipo de cambio al aumento de las tarifas de servicios públicos.
“El cambio de Administración ha venido acompañado de un cambio en la política económica muy importante que permitirá reducir la inflación, contener el déficit público y reinsertar a Argentina en los mercados internacionales. Esto generará un aumento de la inversión y un crecimiento en 2017”, afirmó Werner.
Brasil, Venezuela, Argentina y Ecuador. Esos son los países que impiden este año a América Latina salir a flote. Pero otros avanzan con normalidad y muestran la poliédrica realidad del hemisferio. México es uno de ellos. La previsión de crecimiento del PIB, del 2,4% para este año, le deja en aguas tranquilas. Es prácticamente la misma que en 2015, y en un horizonte recesivo y con una fuerte crisis del crudo podría ser tomada como una buena noticia, excepto por un motivo: México tiene 55 millones de pobres, un 20% de ellos en condiciones extremas. Un agujero que mina todo ascenso por debajo del 3%.




La posibilidad de superar este techo, uno                                de los grandes desafíos del país norteamericano, es vista con optimismo en el FMI. “Los retos de México son ajustar las finanzas públicas a la caída del precio del petróleo y seguir desarrollando las reformas estructurales en energía, telecomunicaciones y educación. Estos cambios más el comportamiento positivo de Estados Unidos permitirán una aceleración y una buena senda de crecimiento sostenido en los próximos cinco años”, señaló Werner.
A vista de pájaro, el cuadro continental también mejora si se mira a medio plazo. Para 2017, el FMI prevé que la recesión ya habrá acabado para Latinoamérica. México, América central y el Caribe seguirán los pasos de Estados Unidos, en plena expansión, mientras que el hemisferio austral languidecerá por el cansancio de China y sólo podrá salir del atolladero “cuando hayan resuelto sus desafíos internos”. Unos retos que en el caso de Brasil y Venezuela aún siguen sin despejarse.

Arte de FORGES

  foto de la noticia

FHC PRESTA DEPOIMENTO À PF SOBRE CASO MIRIAN DUTRA, nas Fôlhas


Comentario meu---nem mais furunfar tranquilamente se pode ......Que Pais é este!

ELE É INVESTIGADO POR ENVIO DE DINHEIRO AO EXTERIOR PARA A JORNALISTA

Jaguar: Humor profético--n`O DIA

Rio - Quatro humoristas, o Barão de Itararé (1895-1971), Sérgio Porto (1923-1968), Millôr Fernandes ( 1923-2012) e Jaguar (1932-2016) definiram com precisão o atual momento político. 

Barão: “De onde menos se espera, daí mesmo é que não sai nada.” 
Sérgio : “A prosperidade de alguns homens públicos do Brasil é uma prova evidente de que eles vêm lutando pelo progresso do nosso subdesenvolvimento.” 
Millôr : “Hay Gobierno, soy contra. No hay Gobierno, también soy contra.” 
Jaguar : “A vaca não está indo para o brejo. Está esperando o brejo chegar até ela.”

Arnaldo Jabor parece um personagem criado por Nelson Rodrigues: Arnaldo, o apoplético cívico.

Eu diria que ele é um personagem de Nelson Rodrigues não autenticado. Cineasta de mão cheia, também escreve bem; sua coluna é a primeira coisa que procuro nos jornais em que colabora. 

Só ele tem licença de porte de adjetivos, que dispara como uma metralhadora giratória. Fico imaginando a cena: Nelson Rodrigues, na redação, batendo à maquina com dois dedos ‘A Vida como ela é’ enquanto Jabor, invisível para o Shakespeare dos trópicos, voeja à sua volta, gritando sem ser ouvido: “Me bota nessa!” E foi esse personagem que nunca foi criado por Nelson que um dia me interpelou, apoplético, enquanto eu bebericava com Célia nossos Dry Martinis na piscina do Copacabana Pálace: “’Jaguar, este não é o seu lugar!” Tal e qual o Bispo Macedo exorcizando ‘Sai, Satanás , este corpo não te pertence!’, ele queria dizer que aquele não era o meu cenário.
 
Jabor estava certo. O que eu, que sempre frequentei pés sujos, botecos e biroscas da Lapa e adjacências, estava fazendo naquele lugar cheio de bacanas? Expliquei que Mariana, filha da Célia, tinha pedido, como presente de casamento, passar a noite de núpcias no Copa. E o gerente me deu um desconto em troca de um autógrafo no seu exemplar de ‘Confesso que bebi’. Estava explicado o inexplicável.

 
Só lamento ter esquecido de perguntar o que um personagem de Nelson Rodrigues estava fazendo na piscina do Copa. Sua alegre ferocidade sempre me divertiu. Mas na sua crônica mais recente ele estava desanimado, jururu. Me deu vontade de sentar no meio fio e chorar lágrimas de esguicho, como diria Nelson.


Jaguar é cartunista

Programa de Temer prevê privatização de ‘tudo o que for possível’, por Simone Igleias, Júnia Gama e Catarina Alencastro,

Comentario meu---é de prever-se. As empreiteiras ferradas (Lava-Jato) é necessario arrancar dinheiros de outras atividades. E o PSDB sabe fazer como ninguém, porisso apoiara mais uma privataria. Faz-se caixa 2 pra eleicao seguinte. Os "politicos" continuam previsiveis...
Michel Temer, vice-presidente da república (Foto: O Globo)

Michel Temer, vice-presidente da república

O documento que servirá de base a um eventual governo Michel Temer, e que deve ser divulgado na próxima semana, afirma que, na infraestrutura, “tudo” o que for possível deve ser concedido ou privatizado: “O Estado deve transferir para o setor privado tudo o que for possível em matéria de infraestrutura. 
Quanto às competências que reservará para si, é indispensável que suas relações com contratantes privados sejam reguladas por uma legislação nova, inclusive por uma nova lei de licitações. É necessário um novo começo das relações do Estado com as empresas privadas que lhe prestam serviços”, diz trecho do documento.
O texto, chamado “A travessia social”, é composto por 17 páginas e, além de tratar os temas Educação, Saúde, Corrupção, Benefícios Sociais e Economia, faz um diagnóstico sobre os motivos que levaram o país à crise política e à recessão. 
A ideia da gestão Temer é focar em concessões e parcerias público-privadas, buscando um ambiente melhor com a iniciativa privada para investimentos. Os investimentos privados são considerados, no documento, fundamentais para ajudar a resolver “a maior crise da História”.
No texto “A travessia social”, além de se comprometer com a manutenção da Operação Lava-Jato, Temer propõe a aprovação de uma lei que responsabilize de forma mais rígida e clara os dirigentes das estatais. “Muito do que deve ser feito já está proposto e, com algum esforço político, pode ser rapidamente transformado em legislação. 
Um conjunto de novas leis deve ser aprovado com o objetivo de estabelecer regras estritas de governança”, diz o documento.

Michel Temer, vice-presidente da república (Foto: O Globo)

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Arte de CHICO Caruso

Charge (Foto: Chico Caruso)

McCoy Tyner, um jazz ao piano no salão de beleza, por Flávio de Mattos

SIC
Albert McCoy Tyner (Foto: Divulgação)Albert McCoy Tyner (Foto: Divulgação)

O pianista Albert McCoy Tyner tinha 17 anos quando conheceu John Coltrane, que, a seus 29, já era um músico consagrado. Estavam na Filadélfia, em 1955. Uns amigos levaram Coltrane para assistir a jam sessionque uma banda de rhythm and bluespromovia num salão de beleza. O garoto McCoy Tyner era o líder da banda. O salão era de sua mãe, a cabeleireira da vizinhança, em West Philly.
A família de Coltrane morava na cidade, apesar de ser da Carolina do Norte. Ele, não fazia muito tempo, havia se mudado para Nova York. Foi integrar o mítico quinteto de Miles Davis. Mas, John Coltrane tinha as raízes fixadas na Filadélfia e sempre estava por lá, para ver os parentes e os amigos. Foi em uma dessas idas que acabou parando na insólita sessão de música no cabeleireiro.
A mãe de Tyner nunca estudou música, mas gostava de tentar alguns sons no teclado, quando ia à casa de alguma cliente que tinha piano. Foi ela quem incentivou o menino Albert a tomar lições do instrumento, quando ele tinha apenas 13 anos. E foi ela quem lhe comprou o piano, quando o garoto começou desenvolver suas habilidades.
A casa em que os Tyner moravam era pequena e tinha o salão de beleza montado no espaço que seria a sala de estar. A família fazia sua vida da cozinha para os quartos e áreas adjacentes. Quando chegou o piano, o único cômodo em que podia ser alojado era mesmo a sala, onde já estava o salão de beleza, com suas cadeiras e seus secadores de cabelo. O jeito foi conciliar as duas atividades e fazer com que convivessem em harmonia. No fim, dava certo e as clientes gostavam.
John Coltrane passou a frequentar as sessões de McCoy Tyner, no cabeleireiro, sempre que estava na Filadélfia. Os dois se fizeram amigos e, muitas vezes, Coltrane tocava com aquele grupo de jovens, por pura diversão. Mas o saxofonista sempre dizia que montaria sua própria banda e levaria McCoy Tyner para ser o pianista.
E esse momento chegou, em 1960, quando Coltrane resolveu formar o John Coltrane Quartet. McCoy Tyner explica que Coltrane estava muito seguro da música que queria fazer. Por isso, buscou convocar os instrumentistas que ele sabia serem capazes de executar o que tinha em mente. Alem do pianista, o grupo foi formado com o baixista Jimmy Garrison e o baterista Elvin Jones.
O primeiro disco que McCoy Tyner gravou nesse quarteto foi My Favorite Things. Com apenas 22 anos, sua levada no piano se destaca, como na peça Every time we say goodbye. Influenciado por suas origens de R&B, Tyner criou um estilo que soma acordes sofisticados a uma percussão explosiva implementada por sua mão esquerda. Por ser canhoto, a mão esquerda no piano de McCoy Tyner adquire um protagonismo que confere identidade imediata à sua sonoridade.
McCoy Tyner conta que nunca se sentiu intimidado pela grandeza do saxofonista John Coltrane. Apesar da enorme admiração que nutria por ele, os dois mantinham uma relação bastante familiar. “Eu conhecia a mãe de John, sua prima Mary, para quem ele escreveu Cousin Mary, e toda a sua família. No camarim, ele costumava me apresentar às pessoas dizendo: esse aqui é o meu irmão caçula”.
O pianista permaneceu no grupo de John Coltrane de 1960 a 1965. No último ano, McCoy Tyner teve participação fundamental no álbum A Love Supreme, que expressava o fervor místico de Coltrane. Tyner conta que com esse trabalho, o saxofonista queria deixar seu testemunho sobre a existência de uma força superior, que ele acreditava, ter guiado sua vida, desde o momento em que lhe foi revelada.
John Coltrane morreu em 1967, com 40 anos de idade. McCoy Tyner é o único remanescente do famoso Quarteto de John Coltrane, que faz parte da história do jazz. Em 1991, Tyner gravou um disco em homenagem ao amigo saxofonista: Remembering John. Nesse álbum está a versão para a emblemática Giant Steps, de Coltrane. Outra peça representativa de seu repertório é Like someone in Love, que McCoy ressalta que era uma das baladas preferidas do saxofonista.
Com 78 anos de idade, McCoy Tyner segue ativo, já tendo gravado mais de 80 discos como líder, sem contar suas participações em gravações de outros músicos e cantores. É ganhador de quatro prêmios Grammy e continua sendo influência fundamental para as novas gerações de pianistas no jazz.
No vídeo a seguir temos McCoy Tyner e seu quarteto em uma apresentação no festival Jazz a Vienne, em 2012. A composição é Walk Spirit, Talk Spirit, escrita em homenagem a Coltrane. A banda está formada por Gerald Cannon, no baixo e Montez Coleman, na bateria. No saxofone, o filho de seu amigo John, Ravi Coltrane.

O PREÇO PSICOLÓGICO DO EMPREENDEDORISMO,por André Bartholomeu Fernandes

Ninguém disse que construir uma empresa seria fácil. Mas é hora de ser honesto sobre como isso pode realmente ser brutal – e o preço que empreendedores pagam por isso.
O preço psicológico do empreendedorismo
ILUSTRAÇÃO DE RUTH GWILY.


Nota do editor: Este artigo ganhou o prêmio no  2014 Annual Awards Contest do Deadline Club, the New York City chapter of the Society of Professional Journalists.

Ninguém disse que construir uma empresa era fácil. Mas é hora de ser honesto sobre como isso pode ser brutal – e sobre o preço alto que os empreendedores pagam por isso

Por todos os aspectos, Bradley Smith é um empreendedor de sucesso inquestionável. Ele é CEO da Rescue One Financial, uma empresa de serviços financeiros na California que fechou o ano de 2012 com 32 milhões de dólares em vendas.

A empresa de Smith cresceu mais de 1400% nos últimos 3 anos, estando na posição 310 da Inc. 500 desse ano. Dito isso, você não deve imaginar que, há exatos 5 anos atrás, Smith estava à beira da ruína financeira e do colapso mental.

Em 2008 Smith estava trabalhando longas horas aconselhando clientes nervosos sobre como sair da dívida.

Mas o seu comportamento calmo e mascarado tinha um segredo: ele compartilhava de seus medos. Como seus clientes, Smith foi afundando em mais e mais dívidas.

Ele estava bem perto do vermelho – em todos os sentidos.

EU ESTAVA OUVINDO O QUÃO DEPRIMIDO E VICIADO MEUS CLIENTES ESTAVAM, MAS NO FUNDO EU ESTAVA PENSANDO COMIGO MESMO, EU TENHO O DOBRO DA DÍVIDA DESSE CARA, LEMBRA SMITH.

Ele havia estourado a sua linha de crédito de 60 mil dólares. Ele havia vendido seu Rolex que havia comprado com o seu primeiro salário na sua carreira anterior de corretor. Ele se humilhou diante de seu pai, o homem que acreditava em máximas como, “dinheiro não dá em árvores” e “não se faz negócios com a família”, pedindo emprestado 10 mil dólares emprestado, valor que só recebeu após assinar uma promissória com juros de 5%.

Smith projetou otimismo aos seus co-fundadores e 10 funcionários, mas seus nervos estavam em frangalhos.

MINHA ESPOSA E EU GOSTARÍAMOS DE DIVIDIR UMA GARRAFA DE VINHO PARA O JANTAR, MAS APENAS NOS ENTREOLHAMOS LAMENTANDO TUDO. NÓS SABÍAMOS QUE ESTÁVAMOS PERTO DO ABISMO.

Em seguida, a pressão ficou ainda pior: o casal descobriu que estava esperando seu primeiro filho. Eles ficaram noites sem dormir, olhando para o teto. Smith acordava às 4h da manhã, preocupado, pensando sobre a situação e se perguntando quando é que as coisas iriam acontecer.

Após 8 meses de ansiedade constante, a empresa de Smith finalmente começou a ganhar dinheiro.

Para quem gosta de empreendedorismo, os empreendedores bem sucedidos têm status de herói em nossa cultura. Nós idolatramos Mark Zuckerberg e Elon Musk. E comemoramos o crescimento incrivelmente rápido das empresas na Inc. 500.

Mas, muitos desses empreendedores, como Smith, carregam seus demônios secretos: antes de se tornarem grandes empreendedores, eles lutaram para superar esses momentos de ansiedade quase debilitante e desesperadores, em que tudo parecia desmoronar.

Até recentemente admitir esses sentimentos era um tabu. Em vez de mostrar a vulnerabilidade, os líderes têm praticado o que os psiquiatras chamam de gerenciamento de impressão, ou o ‘minta até conseguir – fake it till you make it‘. Toby Thomas, CEO do EnSite Solutions, empresa 188 na Inc. 500, explica o fenômeno com sua analogia favorita: um homem cavalgando em um leão.

AS PESSOAS OLHAM PARA ELE E PENSAM: ESSE CARA REALMENTE TEM COLHÃO. ELE É CORAJOSO. MAS O HOMEM MONTADO EM UM LEÃO ESTÁ PENSANDO: COMO DIABOS EU VIM PARAR EM CIMA DE UM LEÃO, COMO EU FAÇO PARA EVITAR SER DEVORADO?
                             O empreendedor em cima do leão: coragem ou desespero?

O empreendedor em cima do leão: coragem ou desespero?
Mais aqui--“É como um homem cavalgando num leão. As pessoas pensam: “Esse cara é corajoso”. E ele está pensando: “Como eu vim parar em cima de um leão e como eu faço para ele não me devorar? “

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Arte do Miguel

Charge (Foto: Miguel)

Arte de CHICO Caruso

Charge (Foto: Chico Caruso)

Lava Jato, filho mais novo da operação Mãos Limpas, por JUAN ARIAS

Comentario meu---...ainda ha muitas e variadas caixinhas por desvelar....em todos os setores da funcao publica, mas, principalmente TODOS aqueles que AUTUAM e MULTAM. Nestes lideradas por "chefetes" que tem fortunas pessoais injustificadas.

Operação Lava Jato e sua relação com a operação Mãos Limpas
Policiais federais exibem cartazes em apoio à Lava Jato, em São Paulo, no dia 18.  REUTERS

A Mãos Limpas deu lugar à nova República na Itália. Se melhor ou pior, depende dos olhos com os quais se examine aquele cataclismo causado pelo transbordamento da corrupção política.

No próximo ano se completarão 25 anos do início, na Itália, da operação Mãos Limpas, liderada pelo juiz Antonio Di Pietro, considerada a maior investida de todos os tempos contra a corrupção político-empresarial.
Lava Jato brasileira poderia ser considerada como o filho mais novo daquele terremoto político que varreu a Primeira República da Itália depois de ter feito desaparecer nas urnas os quatro maiores partidos de então, entre eles a poderosa Democracia Cristã (DC) e o Partido Socialista Italiano (PSI).
Alguns números são suficientes para mostrar que a Lava Jato é, por enquanto, apenas uma pequena onda daquele tsunami italiano que na época estremeceu a Europa e mais além dela.
Como correspondente deste jornal ( Él Pais) na Itália naquele momento,coube a mim informar sobre a experiência que permitiu aos jornalistas assistirem atônitos a condenação de quatro ex-primeiros-ministros, 438 políticos e parlamentares, 872 empresários e 2.993 mandados de prisão entre 6.059 investigados. Também pudemos assistir à fuga do líder socialista Bettino Craxi, considerado o centro da operação, que preferiu se auto-exilar depois de ter sido condenado a 17 anos de prisão.
Onze dos condenados acabaram cometendo suicídio, entre eles dois personagens de destaque: Gabriele Calhari, presidente da estatal ENI (Ente Nacional de Hidrocarbonetos) que tirou a própria vida enquanto estava sob prisão preventiva, e o bilionário Raul Gardini, presidente da poderosa Montedison, a maior indústria petroquímica do país, que se um tiro na cabeça.
Tudo começou com um empresário que abriu a panela de pressão da corrupção política empresarial, denunciando o líder dos socialistas em Milão, Mario Chiesa, que aspirava à prefeitura da capital da Lombardia e que extorquia um empresário exigindo-lhe propina para obter licenças públicas.
Puxando o fio, o grupo de juízes de Milão chegou ao coração de uma corrupção que tinha ramificações nacionais. Era uma espécie de máfia perpetrada entre empresários e políticos para obter licenças de obras e serviços públicos em troca de financiamento ilegal dos partidos políticos. Descobriu-se que havia até planilhas com os valores que os empresários se comprometiam a pagar a cada partido, especialmente aos dois maiores, a Democracia Cristã (DC) e o Partido Socialista (PSI) de Bettino Craxi, que em 1983 foi o primeiro socialista a se tornar primeiro-ministro da Itália.
Entre os políticos condenados, Craxi foi considerado então como il capo [o chefe, em italiano] da trama de corrupção em nível nacional, que tinha o objetivo de perpetuar os socialistas no poder.
Craxi foi condenado a 17 anos de prisão, mas preferiu fugir do país, exilando-se em sua mansão em Hammamet, na Tunísia, onde morreu no ano 2000, considerado como fugitivo político.A trama, no entanto, capturou em suas redes os demais partidos que nas eleições políticas posteriores acabaram sendo varridos do mapa pelos eleitores, fazendo crescer os partidos menores.
Antes disso, o líder socialista havia confessado no Congresso ter financiado seu partido com dinheiro da corrupção. Atacou duramente a operação Mãos Limpas e o juiz Di Pietro, sobre o qual afirmou: “Nem tudo que reluz é ouro. Logo descobriremos que o juiz não é esse herói de que se fala. Há muitos aspectos pouco claros na Mãos Limpas”. Tentou-se processar Di Pietro, mas este acabou absolvido.
Enquanto Craxi arremetia contra os juízes da Mãos Limpas, seu colega de partido, Sergio Moroni, cometeu suicídio e deixou uma carta na qual confessou seus crimes de corrupção e os de seu próprio partido.
Craxi foi sucedido no Governo por seu amigo, o milionário empreiteiro Silvio Berlusconi, um outsider da política, que mesmo com uma dúzia de acusações conseguiu vencer as eleições em 1994 com a força de seus três canais de televisão que o amigo Craxi havia legalizado.
Berlusconi foi em seguida um duro perseguidor da Mãos Limpas e acusou Di Pietro e sua equipe de juízes de “abusar da prisão preventiva para arrancar confissões”.
Com ele no Governo, foram feitas várias manobras chamadas de “salvaladrões” visando anular sentenças dos condenados pela Mãos Limpas. Tentou-se legislar que crimes como a corrupção política e, especificamente, o financiamento ilegal dos partidos, não pudessem ser condenados com prisão. Foi o Presidente da República, Oscar Luigi Scalfari, um político reto, que abortou a manobra.
É difícil, quase um quarto de século depois da Mãos Limpas, fazer um balanço dessa experiência singular, que se repete hoje, embora em miniatura, no Brasil. Sem dúvida, a Itália não foi, desde então, a mesma. Toda a vida política da República ficou em pedaços. Ainda hoje é difícil dizer se o saldo final foi positivo ou não para a democracia.
Foi –sem dúvida– uma experiência traumática que puniu nas urnas os grandes partidos tradicionais e abriu caminho para uma recomposição da vida política.
Foi uma experiência judiciária moralizadora que contou sempre com o aplauso e o apoio da sociedade italiana e que foi apoiada, dia a dia, pelos meios de comunicação que foram uma espécie de braço direito das investigações.
Como hoje no Brasil, também na época, foram peça-chave da Mãos Limpas as confissões dos detidos que se sentiam abandonados e traídos por seus respectivos partidos.
Naquele momento, cada líder político se preocupava em salvar a própria pele, sem pressa excessiva para salvar seus subordinados capturados pelas redes da justiça.
Eles chegaram a dizer que se tratava de delatores “ressentidos e vingativos” que tinham sujado seus respectivos partidos.
No final, chefes e subordinados acabaram compartilhando a dura sorte da condenação e da prisão.
Tudo teve de ser recriado novamente após o deserto em que se havia se tornado a velha política.
A operação Mãos Limpas deu lugar à nova República.
Melhor ou pior do que a primeira?
Depende dos olhos com os quais se examine aquele cataclismo causado pelo transbordamento da corrupção política que havia gangrenado a Primeira República.

A raiva sadia da sociedade civil brasileira, por JUAN ARIAS

Melhor uma sociedade com raiva, inclusive dividida em suas opiniões, que uma apática ou sem vontade de lutar, o melhor cheque em branco para os governantesImagem de Brasília.

Imagem de Brasília. Ricardo Stuckert / Fotos Públicas
O mundo está olhando para o Brasil. A imprensa internacional se pergunta se é verdade que o colosso da América Latina está quebrado. Olhava para o país antes, quando era visto como a nova Meca, e o analisa hoje, quando parece que os deuses o abandonaram.
Durante o milagre, até meus amigos espanhóis queriam correr para trabalhar e viver aqui. O Brasil era um sonho.
Talvez o Brasil então nem tivesse chegado ao ápice, nem hoje se precipitou irremediavelmente no inferno de uma crise sem esperança.Hoje o país vive uma de suas maiores crises, não só econômica, mas até de identidade, de ética e estética, como escreve Eliane Brum em sua magnífica coluna Tupi or not to be.
Talvez nos anos dourados de Lula, sob a magia da caravana de milhões de pobres resgatados da miséria, faltaram as grandes reformas estruturais que impedissem a crise no futuro.
E hoje, talvez, aqueles que acreditam que o Brasil está rodando para o abismo não consigam ver que a crise poderia marcar o tempo das reformas (começando pela do Estado) que ninguém até agora foi capaz de enfrentar e que agora se tornaram indispensáveis e urgentes para resgatar o país da crise.
O grande protagonista do possível resgate do Brasil é hoje, sem dúvida, a sociedade civil com seu despertar (até mesmo agressivo), sua rejeição unânime aos corruptos e sua falta de piedade com a classe política, que com maior ou menor responsabilidade paralisou e apequenou o país.
Há quem acuse a sociedade de ter permanecido adormecida enquanto a classe política mergulhava na corrupção. E talvez essa letargia, que retardou o nascimento dos indignados, também teve sua parcela de responsabilidade.
Hoje, no entanto, essa sociedade ainda conservadora, mas indignada, com raiva, dividida entre as possíveis saídas para a crise, a favor ou contra a destituição presidencial (impeachment), é o que existe de mais vivo neste país.
Uma sociedade que descobriu que os representantes que elegeu para o Congresso se assemelham mais a um circo do que a um Parlamento, com uma boa maioria de congressistas envolvida na corrupção, alheia às reformas que o país necessita.
O que está acontecendo no Brasil é uma epifania da sociedade, que hoje está convencida de que o país representado por aqueles que elegeu não é o que hoje escolheria, e grita: “Fora todos eles!”
É um pleonasmo, mas retrata que o tecido social não é hoje, como foi no passado, o espelho da mediocridade dos políticos.
O assombro que hoje produz nos brasileiros a corrupção, os privilégios de seus governantes, o luxo dos gastos públicas e a dor daqueles que começam a sentir na carne os frutos amargos de crise econômica é a primeira luz em meio a tantas sombras.
Melhor uma sociedade com raiva, inclusive asperamente dividida em suas opiniões, que uma apática, passiva ou sem vontade de lutar, perigosamente embalada no popular: “Fazer o quê?”, que era o melhor cheque em branco para os governantes.
Hoje a sociedade está acordada, discute, se irrita. É uma sociedade que talvez ainda não saiba bem o que quer, mas que está começando a saber o que já não quer.
Você acha pouco?

Un capitalismo sin alternativa, por IGNACIO SOTELO

Antes, la lucha quedaba planteada entre los defensores-beneficiarios del orden socioeconómico establecido y los que pretendían sustituirlo por otro más ajustado a sus intereses. Hoy, esa concepción se ha evaporado.

Un capitalismo sin alternativa EULOGIA MERLE
Desde la caída de la Unión Soviética, va a hacer ya un cuarto de siglo, y desaparecidos prácticamente los sistemas de producción tradicionales, el capitalismo se ha universalizado sin que se divise una alternativa. La sedicente China comunista es ya un país capitalista, aunque manejado desde el poder concentrado en el partido.

En un mundo globalizado —al menos en el futuro que cabe atisbar—, pocos dudan de que el capitalismo no sea nuestro único destino. Afirmar que navegamos en un barco del que ya no cabe bajarse parece algo tan obvio como trivial. No tanto porque hayan menguado los inconvenientes que le atribuimos: el mayor, la enorme desigualdad social que lleva en su entraña; ni porque sean menos atractivas sus ventajas, la principal, la enorme dinámica productiva que pone en marcha.Desde el capitalismo comercial que se consolida en el siglo XIV, pasando por el industrial que comienza a finales del XVIII, hasta el financiero que con carácter dominante avanza desde los años 80 del siglo pasado, la novedad consiste —aunque no se haya recalcado lo suficiente— en que el capitalismo en esta última etapa no se enfrenta ya a un orden socioeconómico alternativo, como en la pasada centuria lo hiciera al socialismo. Ni siquiera a uno en su forma socialdemócrata menos drástica, convertida ya en el capitalismo de nuestro tiempo.

Desde los que detentan el poder, la idea fuerza es proclamar el bien común como el vínculo que une a todos los miembros de una comunidad política organizada. Si la nave es la vieja metáfora del Estado, todos navegamos en el mismo barco. En cambio, para los que aspiran a conquistarlo, es indispensable distinguir entre los que lo poseen y los que lo pretenden.
Qué quiere decir entonces izquierda, si se define, o al menos se definía, por aspirar a un nuevo orden social más igualitario y justo; y hoy muchos coinciden en que dentro del orden establecido cabría alcanzar esta meta por la vía democrática. Al dejar de confrontarse como dos órdenes socioeconómicos opuestos, los conceptos de izquierda y de derecha han perdido gran parte de su sentido, aunque con matices ideológicos propios cada una aún retenga a un público fiel.
Lo más llamativo es que tomar conciencia de ello no ha modificado el comportamiento ni el lenguaje político, necesitados ambos de contraponer ellos a nosotros; si se quiere, rememorando a Carl Schmitt, el enemigo al aliado. En cuanto lo político se define como lucha por el poder, implica siempre una contienda entre bandos enemistados.
En el marco en que se daba por supuesto que el capitalismo se contraponía al socialismo, la lucha quedaba planteada entre los defensores-beneficiarios del orden socioeconómico establecido y los que pretendían sustituirlo por otro que se ajustase mejor a sus intereses.
Ahora bien, desde la percepción hoy mayoritaria, el socialismo se muestra tan difuso como poco atractivo. De hecho, se ha evaporado como alternativa deseable, y con ella se ha desmoronado la anterior construcción ideológica, montada sobre las ventajas de uno y otro sistema.
Antes se aspiraba al poder para defender, o para sustituir, el orden socioeconómico vigente. Pero cuando se ha aceptado el capitalismo como un destino ineludible, el combate no reside ya en sustituirlo, sino en conquistarlo. Permanece la lucha entre la minoría que lo detenta y la mayoría que aspira al poder —es un combate inacabable—, pero se ha desplomado la anterior construcción ideológica, montada en la oposición capitalismo-socialismo y en sopesar las ventajas de un sistema u otro.
¿En qué argumentos se ha de apoyar entonces la actual pretensión de alcanzar el poder? ¿Desde qué postulados y con qué objetivos una mayoría organizada disputa el poder a los que lo detentan?
La dificultad radica en que todos los contendientes acuden a los mismos argumentos, aunque modulando mejor o peor sus aspectos más demagógicos. El empeño es encontrar algunos que les sean propios, pero todos pasan por enfrentar la mayoría —que representarían ellos— a la minoría en el poder.
Desprendida de su raíz capitalista, la cúpula del poder político, social y económico queda desvirtuada. Resulta difícil identificar a los de arriba, la casta, sin vincularla al sistema socioeconómico vigente. Pero es exactamente lo que ocurre cuando se asume el capitalismo como un factor permanente, definitivo y, por tanto, se deja de tomar en consideración.
La antigua estructura en clases sociales se comprime en una mayoría, como si formara un solo bloque, gente, cuando, en realidad, sucede lo contrario: las clases han perdido consistencia, pero por haber sido pulverizadas en grupos sociales tan variados como poco homogéneos. Una parte creciente de la población queda aislada, desintegrada, difícilmente recuperable para un movimiento político unitario.
En este contexto, los partidos tradicionales —mucho más evidente en la izquierda que en la derecha— han perdido buena parte de su base social, multiplicándose el número de fracciones políticas, con la consiguiente fragilidad institucional. Fraccionamiento social que conlleva el político, que a su vez repercute en la débil estabilidad institucional.
Si a esta coyuntura política vinculamos la infraestructura socioeconómica, tan diversa según las regiones y con una congénita debilidad ocupacional —una tasa alta de desempleo es el primer rasgo de nuestra estructura productiva— y añadimos el bajo nivel cultural de nuestra población, que se perpetúa con un sistema educativo harto deficiente en sus tres niveles de la enseñanza (primaria, secundaria y universitaria) es difícil avanzar un pronóstico demasiado optimista; pese a algunos factores, como nuestra situación geográfica entre dos continentes y el mar Mediterráneo y el océano Atlántico, con un clima, unas costas y una red hotelera que permiten augurar un futuro brillante a la industria turística, máxime cuando nuestros competidores (Túnez, Egipto, Turquía) se enfrentan a graves problemas internos.
Nuestra pertenencia a la Unión Europea, aunque cada vez más decepcionante, permite, sin embargo, abrigar esperanzas a mediano plazo, así como otros factores coyunturales, como el bajo precio del petróleo o el incremento de nuestras exportaciones.
Pero el factor decisivo es la capacidad que tenga la sociedad española de conducir el proceso, aprovechando los factores externos que en un sentido o en otro, según como se traten, o dejen de hacerlo, son siempre retos que nos abren nuevas posibilidades. Ahora bien, son tantos y tan distintos que cualquier pronóstico resulta harto arriesgado. El lenguaje de los políticos es aventurar un futuro dichoso si se les hace caso. Callar la respuesta de los prudentes, a la vez que animar a no permanecer ociosos, porque no hacer nada suele ser el peor de los comportamientos.
Ignacio Sotelo es catedrático de Sociología.