segunda-feira, 30 de novembro de 2015

El Rey, a los sefardíes: “¡Cuánto os hemos echado de menos!” por Miquel Alberola

Comentario mio--hay que recordar que "Hispania"fué él nombre romano, de toda la Peninsula Ibérica.
 
El rey Felipe, este lunes, en el Palacio Real. / Emilio Naranjo (EFE)
El Rey ha celebrado este lunes ante representantes de las comunidades judías el "privilegio" de poder escribir "una página de la historia con la ley que permitirá a los sefardíes originarios de España obtener la nacionalidad española de forma plena y en igualdad" y que, según ha referido, ha tenido "el gran honor de sancionar como Jefe de Estado".
En un acto solemne en el Comedor de Gala del Palacio Real de Madrid, Felipe VI ha dirigido a los sefardíes palabras de afecto reparador con motivo de esta norma que entra en vigor cinco siglos después de su expulsión de España. "¡Cuánto os hemos echado de menos!", ha señalado el Monarca, que ha enfatizado que la Ley 12/2015 en materia de concesión de nacionalidad española a los sefardíes, representa "una nueva y definitiva apertura de las puertas de España a los hijos de Sefarad".
"Con esta ley queremos expresaros que contamos con vosotros para caminar juntos, porque todos somos ciudadanos españoles", ha afirmado. Felipe VI ha agradecido a los sefardíes su lealtad y el hecho de haber guardado "como un preciado tesoro" la lengua que hablaban en el momento de la expulsión en 1492, el judeoespañol o djudezmo, así como las costumbres. Y sobre todo, les ha dado las gracias por "haber hecho prevalecer el amor sobre el rencor” y por haber enseñado a sus hijos “a amar esta patria española". "Quiero deciros que ya estáis de nuevo en vuestra propia casa, que ya habéis vuelto para siempre a vuestro hogar", ha añadido.
Esta norma es la culminación de un proceso de reencuentro entre España y los sefardíes que se inició en la segunda mitad del siglo XIX y que, como ha afirmado el Rey, vivió un relevante paso jurídico con la enmienda al Código Civil, a propuesta del diputado socialista Ernest Lluch, que fue aprobada por el Congreso de los Diputados en 1982. El Rey ha ponderado el "amplio consenso" mostrado por los grupos parlamentarios de ambas Cámaras para impulsar esta medida.
Antes del Rey, el ministro de Justicia, Rafael Catalá, ha señalado que con esta ley "volver a Sefarad ya no es una ilusión". El ministro ha manifestado que la norma no pretende dejar en el olvido los errores del pasado, sino evitarlos. En virtud de esta ley aprobada el pasado junio, 4.307 sefardíes originarios de España, y provenientes de varios países (Venezuela, Turquía, Brasil…) obtuvieron en octubre la nacionalidad por carta de naturaleza, mientras que otros 583 la han solicitado y están pendientes de obtenerla.
En el acto, el presidente de la Federación de Comunidades Judías de España, Isaac Querub, ha incidido en que los sefardíes, que han recibido la ley con una gran expectación, no han fomentado el agravio en 500 años y ha pedido una interpretación equilibrada y sensible de la norma para quienes, a menudo, han sido designados como "los españoles sin patria". El número de judíos expulsados de España ha dado lugar a cifras controvertidas. Los últimos estudios apuntan que fueron unos 100.000, puesto que muchos de los que en un primer momento fueron forzados a abandonar España retornaron siendo obligados a renunciar a su religión e iniciando un proceso no exento de ignominias.

Cristina y sus funcionarios dejan el poder más ricos que cuando llegaron, porLucia Salinas

El patrimonio de los principales dirigentes.La Presidente declaró este año $ 64 millones, sin incluir a los hijos. Al asumir Kirchner, en 2003, tenían menos de $ 7 millones. Los casos Manzur y Echegaray.
Look. Cristina, la semana pasada, en un acto en Morón. Reloj, anillos y un collar de perlas. /Reuters
Look. Cristina, la semana pasada, en un acto en Morón. Reloj, anillos y un collar de perlas. /Reuters
La austeridad no caracterizó a los ministros de Cristina Kirchner. Ella no dio el ejemplo. A excepción de Lino Barañao, todos presentarán sus renuncias la próxima semana. Ninguno se va como llegó: la presidenta y sus principales funcionarios dejan sus cargos mucho más ricos que cuando asumieron.
Propiedades, vehículos, motocicletas, ahorros, sociedades, acciones, yates, bonos de YPF son sólo parte de la riqueza de altos funcionarios K que finalizan su mandato el 10 de diciembre. El que menos incrementó su patrimonio lo hizo en $ 200.000. El mayor salto cuantitativo lo tuvo la propia Cristina: su riqueza declarada supera los $64 millones. No se incluyen allí los bienes millonarios que heredaron sus hijos.
En 2003, cuando Néstor Kirchner asumió la Presidencia, el matrimonio declaró bienes por $6.851.810. La suma fue en ascenso hasta que sólo en un año, de 2007 a 2008, pasaron de $17 millones a $46 millones. Tras la sucesión de los bienes del ex presidente, la Mandataria declaró $39 millones, pero años después su incremento fue notorio: para 2012 superaba los $48 millones y se va del Gobierno con una declaración jurada de $64.629.891. En 12 años la riqueza de la Presidenta creció un 843,25%. Se insiste: no están allí los bienes ahora a nombre de sus hijos.
A sus ministros también les fue bien. A algunos, bárbaro. El ranking de los más ricos está encabezado por Juan Manzur. Juró como ministro de Salud desde 2009 y renunció en febrero para candidatearse como gobernador de Tucumán. Dejó el gabinete con un patrimonio de $23 millones, muy por encima de los $5 millones que declaró cuando inició. Su fortuna se compone mayoritariamente de inmuebles: 17 lotes terrenos, 3 departamentos, 3 casas; sin embargo, declaró que varios de los terrenos tenían un valor de “cero pesos”. En un año ganó 9.364.264 pesos y la gran diferencia la hizo al vender una aceitunera por 15 millones de pesos, y contrajo una deuda con “José Nucete” por 7 millones de pesos.
El titular de la AFIP mostró un importante incremento en su patrimonio. En porcentaje fue el que más creció. Ricardo Echegaray llegó en 2008 al gabinete con $138.650 y finaliza la gestión con $7.243.522,37. Entre sus bienes más preciados tiene dos embarcaciones y fue de los pocos que apostó a YPF comprando bonos de la empresa por $294 mil.
Con un importante patrimonio, le sigue Sergio Berni. Asumió en 2003 como Director Nacional de Asistencia Comunitaria y se va como Secretario de Seguridad. En sus comienzos declaró bienes por $226.00. Doce años después, se retira con $6.928.325,79. Su principal inversión son los inmuebles: casas, departamentos, lotes de terrenos, rurales con vivienda y un complejo de cabañas.
Otro que se va rico es Aníbal Fernández. Juró en 2003 como ministro del Interior y se va como jefe de Gabinete, ingresó a la gestión K con $679.906 y se despide con $3.391.104. Uno de sus bienes más costosos es su BMW Modelo 328 con un valor de $606.500.
En el caso Amado Boudou, un (mal) ejemplo del enriquecimiento del Gabinete, llegó en 2007 como director de la ANSES, fue ministro de Economía hasta que asumió en 2011 como vicepresidente. Declaró en sus comienzos $811.730 y se retira con un patrimonio de $2.206.325. Como en muchos casos, la Justicia investiga a su entorno. Sospechan que su fortuna real está oculta bajo otros nombres.
Entre los “pingüinos” que fueron parte de los 12 años de kirchnerismo, está Julio De Vido denunciado por enriquecimiento ilícito por llegar a una fortuna por encima de los $ 4 millones. En 2003 declaró tener $1.098.619 y dice retirarse con menos: $769.429,30.
En mejor situación, el ex jefe de la SIDE, Héctor Icazuriaga, llegó al gabinete K con $73.994, y se fue a fin de 2014 con bienes por $1.216.034,97. Florencio Randazzo, ministro de Interior y Transporte, llegó en 2008 con $1.291.993. Se va con $2.767.386.
La futura gobernadora de Santa Cruz, Alicia Kirchner, siempre ministra de Desarrollo Social, ingresó en 2003 con $163.171 y vuelve a su provincia con $636.743,37. No declara casa ni departamento, sólo un terreno en El Calafate de 1.666 m2 como “inversión”. El secretario Legal y Técnico, llegó con $506.757 y deja la función pública con $793.165,90. Su bien más caro es una camioneta Toyota de 2011 que la declara en $419.500.
En medio de esta sensación de impunidad y enriquecimiento que tiñe el paso por el poder, el flamante presidente electo, Mauricio Macri, anunció que -como en EE.UU.- pondrá su fortuna en un fideicomiso para mostrar transparencia. En su declaración jurada antes de las elecciones, el líder del PRO aseguró poseer bienes por 52 millones de pesos. ¿Con cuánto se irá?
A continuación, uno por uno, el ranking según los porcentajes de aumento:
1) Ricardo Echegaray: desde 2008, al frente de la AFIP. Llegó con $ 138.650 y se va con $ 7.243.522,4. Una suba de 5.124%.
 
2) Sergio Berni: asumió en 2003, como director de Asistencia Comunitaria, en Desarrollo Social, y desde 2012 es secretario de Seguridad. Llegó con $ 226.00 y se va con $ 6.928.325. Una suba de 2.966%.
 
3) Héctor Icazuriaga: desde 2003 hasta fin de 2013, al frente de la SIDE. Llegó con $ 73.994 y se va con $ 1.216.035. Una suba de 1.543%.
4) Cristina Fernández: de 2003 a 2007, legisladora y primera dama; de 2007 a 2015, Presidenta. Con Kirchner llegaron con 6.851.810 y ella se va con $ 64.629.891. Una suba de 843%.
5) Aníbal Fernández: en 2003 empezó como ministro de Interior y se va como jefe de Gabinete. Llegó con $ 679.906 y se va con $ 3.391.104. Una suba de 398%.
6) Juan Manzur: ministro de Salud entre 2009 y febrero de 2015. Llegó con $ 5.000.000 y se va con $ 23.061.852. Una suba de 361%.
7) Carlos Tomada: ministro de Trabajo desde 2003. Llegó con $ 139.782 y se va con $ 608.202. Una suba de 335%.
8) Alicia Kirchner: ministra de Desarrollo Social desde 2003. Llegó con $ 161.171 y se va con $ 636.743. Una suba de 290%.
9) Amado Boudou: desde 2007, titular de la ANSeS, ministro de Economía y vicepresidente. Llego´con $ 811.730 y se va con $ 2.206.325. Una suba de 172%.
10) Florencio Randazzo: desde 2008, ministro de Interior y Transporte. Llegó con $ 1.291.993 y se va con $ 2.767.386. Una suba de 114%.
11) Carlos Zannini: desde 2003, secretario Legal y Técnico. Llegó con $ 506.757 y se va con $ 793.165. Una suba de 57%.

Arte de CHICO Caruso

       Charge (Foto: Chico Caruso)

Andrade Gutierrez oferece 1 bilhão e dois senadores em acordo na Lava Jato, por Afonso Benites

Otavio Azevedo e Marcelo Odebrecht, em junho. / RODOLFO BUHRER (REUTERS)

Duas semanas atrás, um incomum sorriso aparecia na face de um homem que estava preso havia 150 dias pela Operação Lava Jato. Otávio Marques de Azevedo, o presidente da segunda maior empreiteira do Brasil, a Andrade Gutierrez, estava diante de uma câmera e frente a frente com o juiz Sérgio Moro, que vai definir o seu futuro e de todos os mega-empreiteiros brasileiros presos sob suspeita de corrupção na Petrobras.
Ao invés de demonstrar a habitual tensão dos réus, o empreiteiro tentava fazer brincadeiras para descontrair o ambiente. A estranha tranquilidade tinha uma razão: seus defensores já estavam negociando um acordo de delação premiada e outro de leniência que podem resultar em sua saída da prisão mediante uso de tornozeleira eletrônica, no pagamento de uma multa de 1 bilhão de reais e na acusação de ao menos dois senadores que estariam envolvidos no esquema. Assim, ao invés de responder aos questionamentos feitos por Moro, Azevedo só agradeceu a sua família e disse que não falaria nada ao magistrado.
“Eu queria rapidamente fazer um agradecimento à minha família, que nesses 150 dias me suportou, me apoiou, meus familiares, meus amigos e dizer que, por orientação dos meus advogados, que vou permanecer em silêncio.”
Nesta sexta-feira, o jornal Folha de S. Paulo revelou em sua versão on-line o bojo desse acordo. Duas pessoas que tiveram acesso às investigações confirmaram ao EL PAÍS que ele está a ponto de ser finalizado e seria firmado com a Procuradoria-Geral da República, com o Ministério Público Federal no Paraná e com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Oficialmente, porém, nenhum desses órgãos confirmaram essa informação sob a alegação de que, caso ele exista, poderia ser maculado antes de ser homologado judicialmente por Moro e pelo ministro Teori Zavascki, o responsável no Supremo Tribunal Federal pelos casos envolvendo a Lava Jato. O advogado de Azevedo, Celso Vilardi, disse apenas que não pode comentar o assunto por questões éticas.
Segundo a Folha, a Andrade Gutierrez vai admitir que pagou propinas em uma série de obras que conduziu, além das que tocava com a Petrobras. Entre elas estariam empreitadas da Copa do Mundo de 2014, na usina nuclear Angra 3, na hidrelétrica de Belo Monte e na ferrovia Norte-Sul. Os procuradores já suspeitavam das irregularidades na Copa, mas não havia nenhuma prova concreta até o momento.
Em um primeiro momento, conforme pessoas que participam da negociação das tratativas entre o réu o Ministério Público, Azevedo não queria admitir a culpa. O que o motivou foram as frequentes citações feitas por outros delatores do esquema, como o ex-diretor Paulo Roberto Costa e o lobista Fernando Soares, o Baiano.
Caso se concretize, esse será o maior acordo firmado até o momento pela Lava Jato, que já recuperou 1,8 bilhão de reais. Antes dele, o que obteve mais recursos de multa foi um assinado com a Camargo Corrêa – 800 milhões de reais – em julho passado. Para fechar esses acordos, o Ministério Público leva em conta o tamanho da organização e qual foi a participação dela no desvio. Por exemplo, a Camargo Corrêa é a quinta maior do país e teve uma receita líquida de 4,5 bilhões de reais no ano passado. Já a Andrade Gutierrez, a segunda, teve uma receita de 8,4 bilhões de reais e é acusada de ter pago cerca de 632 milhões de reais em subornos para obter contratos com a Petrobras.
Até agora, representantes de ao menos quatro empreiteiras já se comprometeram a colaborar com as investigações e entregar os outros participantes do suposto esquema de corrupção, entre eles políticos com foro privilegiado. Com a maior adesão dos empreiteiros, aumenta a pressão para que a Odebrecht, a principal construtora brasileira, siga o mesmo caminho. Na última vez que foi questionado sobre o assunto durante depoimento na CPI da Petrobras, o presidente da companhia, Marcelo Odebrecht, que está preso em Curitiba, disse que não tinha nada para delatar.

Vale se esquiva de responsabilidade em Mariana e promete fundo para rio, por Heloísa Mendonça

Diretor-presidente da Vale, Murilo Ferreira./TASSO MARCELO (AFP)

A pressão sobre a Vale por causa da tragédia de Mariana cresce e a maior mineradora do mundo age para conter os danos em sua imagem. Apesar de repetir que, legalmente, não pode ser responsabilizada pelo rompimento da barragem de rejeitos da  Samarco, da qual é acionista, a Vale  informou que irá criar um fundo voluntário para resgatar e recuperar o rio Doce. Após o desastre, o curso d’água foi fortemente afetado pelo tsunami de rejeitos que escoou até a foz do rio, no Espírito Santo. A companhia não revelou, no entanto, quanto investirá no projeto que também terá a participação da BHP, a outra acionista da Samarco, e deve contar com apoio financeiro de outras organizações.
O anúncio foi feito pelo diretor-presidente da Vale, Murilo Ferreira, em entrevista coletiva na sede da Vale no Rio. O executivo aproveitou o momento  para defender a Vale das críticas sobre a atuação da empresa após o a tragédia. “Tenho certeza que estávamos totalmente comprometidos em ajudar naquilo que foi possível", disse.
Ferreira tratou, no entanto, de distanciar a Vale da Samarco, ressaltando a posição de acionista da companhia e afirmou que, por questões concorrenciais, não pode interferir nas operações da mineradora. "Quando a gente diz que não tem interferência direta na Samarco, é porque não podemos. Nunca fui ao escritório da Samarco em Belo Horizonte ou em suas operações em Mariana por questões de governança", garantiu.
No entendimento dos executivos da Vale, a empresa não tem responsabilidade sobre a tragédia em Mariana que deixou, até o momento, 13 mortos e oito desaparecidos. “A Samarco é uma empresa grande. Ela tem recursos para arcar com problemas em suas operações”, afirmou Clovis Torres, diretor de integridade corporativa, que garantiu que a Vale só poderia ser responsabilizada caso a Samarco não fosse capaz de arcar com os prejuízos. Ressaltou que “não há de se falar em negligência nesse momento”.
A companhia afirmou ainda que realizou novas vistorias em suas barragens após a tragédia e que estão todas em boas condições. A Vale tem 168 barragens no Brasil, sendo 123 só em Minas Gerais. A companhia explicou também que tem plano para reduzir a produção de rejeito, para diminuir a construção de barragens.
Torres disse ainda que foi um "equívoco" as declarações do juiz Frederico Esteves Duarte Gonçalves, de Mariana, sobre o sumiço de 292 milhões de reais da conta da Samarco. Segundo ele, a mineradora mantém seus recursos no exterior e precisaria de certo tempo para trazer ao Brasil o montante para cobrir o dinheiro que foi bloqueado pela Justiça. No dia 13 deste mês, Gonçalves havia deferido uma liminar para o bloqueio de 300 milhões de reais em conta da empresa porém, segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, foram encontrados apenas 8 milhões. 
FOTOGALERIA Imagens do mar de lama que deixa rastros de destruição em Mariana, Minas Gerais
Sobre a Vale ter lançado parte de rejeitos de uma mina na barragem de Fundão, que se rompeu no dia 5 de novembro na região de Mariana, o diretor-executivo da Vale, Peter Poppinga afirmou que não há irregularidades na operação. “A Vale lançou entre 4% e 5% de rejeitos na barragem de Fundão. Para isso, a Samarco definiu um local fixo onde a Vale poderia fazer este deposito, e a Vale pagou por isso. É a Samarco que direciona o fluxo do rejeito”, disse, sobre a utilização revelada pela Folha. Sobre a investigação da tragédia, ele afirmou não ter informações sobre as causas.
A companhia, assim como a Samarco, negou a contaminação da água por elementos tóxicos nos rejeitos que vazaram da barragem de Fundão. No entanto, um relatório sobre a qualidade do Rio Doce apontou presença de metais pesados acima do limite legal nas áreas atingidas pela lama. De acordo com a diretora de Recursos Humanos, Saúde e Segurança, Sustentabilidade e Energia da Vale, Vania Somavilla, os elementos químicos não estariam dentro da barragem, mas nas margens e no fundo do rio, e acabaram sendo misturados à água pela passagem do volume de lama. Segundo Somavilla, esses materiais não se dissolvem na água, e que por isso não teria gerado contaminação.

El futuro se decide en París (Editorial d` El País)

Pocas veces una reunión internacional habrá sido tan importante. De lo que acuerden los 195 países que se han dado cita en París en la Cumbre del Clima que comienza hoy depende en buena medida el futuro del planeta. La cumbre debería alumbrar un nuevo acuerdo de reducción de emisiones de CO2 y otros gases que sustituya al protocolo de Kioto de 1997 y asegure que el calentamiento global no superará los 2°C de aquí a final de siglo. De ese límite depende que el cambio climático en curso tenga consecuencias nocivas, pero manejables, o que los efectos sean calamitosos.
Blog pics
Hay datos que invitan a un prudente optimismo. A diferencia de Copenhague (2009), se ha extendido la conciencia global de peligro y el consenso sobre la necesidad de actuar de forma urgente. Mientras el protocolo de Kioto fue suscrito por solo 37 países industrializados —28 de ellos de la UE— que sumaban apenas el 12% de las emisiones nocivas, a París acuden casi dos centenares de países, tanto industrializados con en vías de desarrollo. Entre ellos se encuentran además los dos principales emisores, China y Estados Unidos, que no suscribieron Kioto y ahora acuden con planes de reducción ya comprometidos. Otro avance, fruto del cambio de metodología, es que 176 países llegan a la cumbre con objetivos nacionales ya establecidos.
Pese a todo, la cumbre será un fracaso si el nuevo protocolo que tiene que entrar en vigor en 2020 no mejora estos objetivos: las reducciones de emisiones anunciadas son insuficientes para que el calentamiento no exceda de 2°C. El protocolo de Kioto logró reducir un 22% los gases de efecto invernadero en los países firmantes, pero las emisiones globales han seguido creciendo desde 2000 más de un 24%. Es vital aumentar los objetivos de reducción y asegurar mecanismos para que efectivamente se cumplan. Los costes son elevados, y los países en desarrollo temen que eso estrangule su capacidad de crecimiento. Por eso es importante que los países con mayor capacidad aporten dinero al fondo ecológico de 100.000 millones destinado a compensar esos costes. El acuerdo no es fácil, pero debe ser posible. El futuro del planeta se decide en París.

Arte de Antonio Lucena

 Charge (Foto: Antonio Lucena)

A TRANSFORMAÇÃO DOS MONUMENTOS À IGNORÂNCIA, por Carlos Chagas

No fim de semana a imprensa  recorda o rio de lama que escorreu da participação das empreiteiras na  construção ou  remodelação dos estádios de futebol para  a copa do mundo de 2014. Dezenas de bilhões de reais foram superfaturados e roubados  dos  cofres públicos, com a correspondente distribuição de propinas para governantes,  políticos e empresários.   
Erigiram-se monumentos à ignorância nacional. 
maracana2012
Nem ao menos    ganhamos a competição,  pois oferecemos ao mundo um dos  maiores vexames esportivos de todos os tempos.  Pior ficou no fim de  tudo, com  os estádios vazios e inócuos,  servindo de  homenagem ao desperdício de recursos imprescindíveis ao nosso desenvolvimento.   Os bilhões poderiam ter sido utilizados na implantação de hospitais, universidades e centros de pesquisa.  O governo deu de ombros quando lhe  caberia, ao menos, adaptar esses imensos elefantes brancos para finalidades paralelas            que, longe de ser subsidiárias e supérfluas, teriam se tornado em principais  aplicações necessárias.
Por que não transformaram em  alternativas sociais   o Maracanã remodelado, o Mané Garrincha, a arena da Amazônia e os demais  palácios?   No fins de semana, futebol, mas  nos demais dias, salas de aula, bibliotecas,  laboratórios, enfermarias e auditórios  destinados a ampliar o saber de uns  ou a minorar  agruras  de outros?  Adaptações  poderiam ter sido feitas durante o  início das obras, mas,  mesmo depois, valeria o investimento. Em especial se em vez da roubalheira e da  distribuição de propinas e comissões agora reveladas. 
No primeiro governo de Leonel Brizola, no Rio, graças também a Darcy  Ribeiro e a Oscar Niemayer, em poucos meses construiu-se o  Sambódromo, que desde então abriga os espetaculares desfiles  das Escolas de Samba. Só  que durante  o  ano  inteiro as instalações funcionam como outro tipo de escolas, frequentadas  por centenas de crianças. Além de terem sido  abertas montes de vagas para professores.    
Voltando aos tempos  de hoje, quem pagou a farra dos estádios exclusivos,  tão  a gosto das empreiteiras?  Os governos estaduais subsidiados pelo governo federal, quer dizer, a população através de seus impostos.
Ainda haveria  tempo, caso houvesse  arrependimento e disposição por parte das autoridades e das elites.   Ou já se esqueceram das  parcerias público-privadas  e da participação do  capital particular na tarefa de retomar o crescimento? Não faltariam grupos interessados em implantar universidades ou em investir na  saúde, subsidiados pelo BNDES e sucedâneos,  claro  que dessa vez   voltados para servir à população.
Falta imaginação aos detentores do poder,  principalmente quando se trata de corrigir  erros. Os monumentos à  ignorância bem que poderiam ser transformados em bens postos a serviço  da sociedade, até financiados com as multas que as empreiteiras se comprometem  pagar. Se nada disso der certo, se as sugestões que a lógica  indica forem  obstadas pela burrice que assola o país, fica pelo menos a opção de transformar os estádios em penitenciárias para abrigar os ladrões da coisa pública. O diabo é que talvez não bastem...

Guerreiro do Lixo - Garbage Warrior (LEGENDADO)

       

domingo, 29 de novembro de 2015

A deslegitimação de um sistema político, por Elio Gaspari

O juiz federal Sérgio Moro (Foto: Divulgação)
O juiz federal Sérgio Moro (Foto: Divulgação)
Estava tudo planejado. Nestor Cerveró conseguiria um habeas corpus, atravessaria a fronteira com o Paraguai, tomaria um jatinho Falcon e desceria na Espanha. Deu errado porque Bernardo, o filho do ex-diretor da Petrobras, gravou a trama do senador Delcídio do Amaral e a narrativa de sua conversa com o banqueiro André Esteves.
Depois do estouro, estava tudo combinado. Em votação secreta, o plenário do Senado mandaria a Justiça soltar Delcídio, ou talvez o transferisse para prisão domiciliar num apartamento funcional de Brasília. Deu errado porque a conta política ficou cara e sobretudo porque o ministro Luiz Fachin ordenou que a votação fosse aberta.
A Operação Lava-Jato, com seus desdobramentos, está chegando ao cenário descrito há 11 anos pelo juiz Sérgio Moro num artigo sobre a Operação Mãos Limpas italiana. Ela deslegitimou um sistema político corrupto.
É isso que está acontecendo no Brasil. Na Itália, depois da Mãos Limpas, o Partido Socialista e o da Democracia Cristã simplesmente desapareceram. Em Pindorama, parece difícil que a coisa chegue a esse ponto, mas o Partido dos Trabalhadores associou sua imagem a roubalheiras.
Já o PMDB está amarrado ao deputado Eduardo Cunha, com suas tenebrosas transações. O PSDB denuncia os malfeitos dos outros, mas os processos das maracutaias ocorridas sob suas asas estão parados há uma década.
A Lava-Jato criou o primeiro embate do Estado brasileiro com a oligarquia política, financeira e econômica que controla o país. Essa oligarquia onipotente vive à custa de “acordões” e acreditava que gatos gordos não iam para a cadeia.
Foram, mas Marcelo Odebrecht não iria. Foi, mas os políticos seriam poupados e a coisa nunca chegaria aos bancos. Numa mesma manhã foram encarcerados o líder do governo no Senado e o dono do oitavo maior banco do país.
Desde o início da Lava-Jato, a oligarquia planeja, combina e quando dá tudo errado ela diz que a vaca vai para o brejo. Talvez isso aconteça porque ela gosta do brejo, onde poderá comer melhor.
Eduardo Cunha ainda acredita que terminará seu mandato. Sua agenda de fim do mundo desandou. A doutora Dilma Rousseff continua achando que não se deve confiar em “delator”. Lula diz que Delcídio fez uma “grande burrada”, mas não explica qual foi a “burrada”.
Nunca é demais repetir. O artigo do juiz Moro está na rede. Chama-se “Considerações sobre a Operação Mani Pulite”. Lendo-o, vê-se o que está acontecendo e o que poderá acontecer.
Elio Gaspari é jornalista

Darwin desmentido, por Luis Fernando Veríssimo

 
Eduardo Cunha e Renan Calheiros (Foto: ÉPOCA)
Cunha e Calheiros (Foto: ÉPOCA)

Richard Nixon, aquele incompreendido, certa vez defendeu a nomeação de um correligionário notoriamente medíocre para um cargo federal com o argumento de que a mediocridade também precisava ser representada no governo. Certo o Nixon.
No caso brasileiro, por exemplo, uma maioria de congressistas capazes e honestos convive com uma boa amostra da mediocridade nacional, que não pode se queixar de estar sub-representada. O que mantém nossa fé na democracia representativa é a esperança, seguidamente frustrada mas sempre renovada, de que os bons prevalecerão sobre os ruins.
E que uma elite moral e intelectual acabará vindo à tona, nas duas casas do Congresso, por um processo darwiniano de seleção natural. Mas a realidade política brasileira insiste em desmentir o Darwin.
A evolução, nos nossos legislativos, tem produzido não líderes por mérito, mas líderes por esperteza processual, como Eduardo Cunha e Renan Calheiros, e a sobrevivência dos piores. 
Como é que alguém como o Delcídio Amaral chega a líder da bancada do governo no Senado, se não como um prêmio à mediocridade prestativa?
O bom dessa trama florentina de delações, conspirações nos bastidores e traições em que vive a pátria desde que o juiz Moro pôs-se a campo é que nunca faltam novidades para nos surpreender. Agora entrou em cena o filho do Cerveró, o ator Bernardo Cerveró, que, leio, fez sucesso recentemente numa peça infantil chamada “O principezinho do deserto” ou coisa parecida, e cujo gravador fatídico registrou tudo o que se dizia numa reunião com o Delcídio para combinar a fuga do seu pai antes que ele contasse o que sabe sobre o escândalo da Petrobras.
Bernardo levou sua gravação ao Ministério Publico. “O Pequeno Príncipe” do Saint-Exupéry jamais imaginou que um dia poderia derrubar uma república. Não sei se Bernardo leu o livro, mas talvez, antes de entregar a gravação, se lembrasse de uma das frases do Príncipe: “Só conheço uma liberdade, a liberdade do pensamento”. Foi a liberdade que Bernardo preferiu para o seu pai.
Não adianta suspirar por um Congresso acima de suspeitas e livre de lideranças lamentáveis, o que equivaleria a suspirar por menos democracia ou por uma Humanidade perfeita. Contentemo-nos com eventuais derrotas da mediocridade.

Direto ao Ponto, por Augusto NUNES, VEJA

Com a convocação de Delcídio, time dos amigos de Lula tem tudo para fazer bonito no Campeonato Brasileiro dos Presídios

Cadê a Rosemary??

Convocados pela Polícia Federal, já estavam em aquecimento na cadeia craques da delinquência que sempre desfrutaram da plena confiança do ex-presidente Lula. 
A lista, divulgada no comentário de 1 minuto para o site de VEJA, é composta por José Dirceu, Ricardo Pessoa, Léo Pinheiro, João Vaccari, Renato Duque, Marcelo Odebrecht, Luiz Argolo, André Vargas, Pedro Correa e José Carlos Bumlai.

A captura nesta quarta-feira de Delcídio Amaral, impetuoso atacante do PT de Mato Grosso do Sul, completou a equipe cujo técnico continua em liberdade. 
Por ser um senador no exercício do mandato, é provável que Delcídio reivindique a tarja de capitão pertencente a José Dirceu desde 2003. 
Ficarão no banco de reservas os que têm seus movimentos prejudicados pelo uso de tornozeleiras. O patrocinador é o banqueiro André Esteves.
Como a temporada de convocações não terminou, é possível que alguns titulares acabem substituídos por outros talentos recrutados pela Polícia Federal. Mas o time dos amigos de Lula já tem tudo para fazer bonito na série A do Campeonato Brasileiro dos Presídios.

COP 21, PARIS--FRANCE

Militaires français devant le Bourget qui acceuille du 30 novembre au 11 décembre la COP 21

Dispositif optimal pour assurer la sécurité de la COP 21

Dans le contexte de menace très élevée que connaît notre pays, la réussite de la Conférence de Paris sur le climat (COP 21) passe aussi par la sécurisation optimale de cette manifestation. Le Gouvernement avait pris début novembre la décision de procéder à des contrôles aux frontières pendant un mois. 
Ces contrôles se poursuivront aussi longtemps que la menace terroriste le nécessitera. Le ministre de l’Intérieur a annoncé des mesures exceptionnelles de circulation afin d’assurer aux délégations un accès rapide et sécurisé sur le site du Bourget en perturbant le moins possible les trajets des habitants de Paris et d’Île-de-France. 
120 000 policiers, gendarmes et militaires sont déployés sur l’ensemble du territoire national pour assurer la sécurité des Français.

Finiquitos de oro por fiascos enormes, por David Fernández



El ex presidente de Volkswagen, Martin Winterkorn, el pasado septiembre. / KAI PFAFFENBACH (REUTERS)

¿Se puede recompensar por los errores? Sí, y con cifras bastante generosas. Un claro ejemplo es Abengoa. El grupo energético va camino de convertirse en el mayor concurso de acreedores de la historia empresarial española y sus acciones se han desplomado. Sin embargo, los gestores que han dirigido el grupo andaluz en los últimos años han dejado la empresa con indemnizaciones millonarias. Los ejecutivos de Abengoa no son los únicos que han cobrado finiquitos de oro tras salir de una empresa en serias dificultades. Otros casos recientes son Indra y FCC en España, o Volkswagen en Alemania. El nuevo Código de Buen Gobierno trata de poner límites a estas situaciones.
Tras 25 años en el cargo, el expresidente de Abengoa, Felipe Benjumea tuvo que dejar la compañía el pasado 24 de septiembre. El movimiento, forzado por los bancos acreedores, se saldó con una indemnización equivalente a 11,48 millones de euros por cese anticipado del contrato, pacto de no competencia y "bonificación por permanencia". Por su parte, el ex consejero delegado, Manuel Sánchez, que abandonó su puesto en mayo pasado "por motivos personales", cobró 4,48 millones y tiene pendiente el cobro de otros 3,3 millones si la empresa cumple objetivos. Además, tanto Benjumea, que ahora es "presidente de honor" del grupo, como Sánchez, han percibido un sueldo anual de 4,5 millones cada uno en los últimos cuatro ejercicios.
Otro finiquito de oro se produjo en Indra. Después de 22 años, Javier Monzón dejaba la presidencia el pasado 29 de enero. Al salir de la empresa, Monzón accedió a los 12,1 millones que tenía en su sistema de ahorro a largo plazo (un año antes el consejo eliminó el blindaje de su contrato a cambio de engordar su pensión) y además activó la cláusula de no competencia valorada en casi cuatro millones. El nuevo equipo gestor de Indra ha planteado un ERE para 1.700 trabajadores y presentó unas pérdidas de 561 millones hasta septiembre por diferentes saneamientos. El 18 de noviembre Indra destituyó a Monzón como presidente de honor por entender que no había dado toda la información sobre la situación de la empresa.

En el Ibex hay 924 directivos blindados

El número de directivos del Ibex con cláusulas indemnizatorias en sus contratos crece cada año. Entre estas empresas había 924 trabajadores (consejeros ejecutivos, directivos y trabajadores de alta cualificación) con blindajes a finales de 2014 frente a los 881 de 2013, según los informes de buen gobierno que las compañías remiten a la CNMV. La empresa con más trabajadores con finiquitos pactados es Repsol. El grupo petrolero tiene 309 empleados con blindaje.
En segundo lugar, se sitúa Grifols con 94 casos y el tercer puesto le corresponde al BBVA (68).

Aunque Bruselas y la CNMV recomiendan que las indemnizaciones no superen el equivalente a dos anualidades, grandes empresas como Iberdrola, ACS, Abertis o Gas Natural desoyen este límite.
Anterior en el tiempo pero también polémica fue la indemnización de Baldomero Falcones cuando dejó FCC. El ex consejero delegado de la constructora cesó a principios de 2013. El blindaje de Falcones estipulaba una indemnización de 11,5 millones, aunque finalmente el finiquito se situó en 7,5 millones. FCC perdió 1.500 millones en 2013 y 721 millones en 2014 debido a las deudas y a los saneamientos por las inversiones fallidas realizadas durante los años precedentes. Tras ampliar capital por 1.000 millones, Esther Koplowitz ha perdido el control en favor de Carlos Slim.
El tema de los paracaídas dorados, como se conoce en la jerga a estos blindajes, no es exclusivo del mercado español. Martin Winterkorn, ex consejero delegado de Volkswagen, abandonó el cargo en septiembre tras el escándalo por el trucaje de millones de coches. En el momento en el que dejó el cargo los derechos de pensiones de Winterkorn sumaban 28 millones de euros. Además, existe la posibilidad de que cobre una indemnización equivalente a dos años de sueldo (en 2014 cobró 16 millones), aunque este punto depende de cómo haya catalogado el consejo de Volkswagen su despido (procedente o no).
El Gobierno y la CNMV, a través de la última reforma del Código de Buen Gobierno de las empresas cotizadas, han tratado de imponer ciertos límites a estas políticas salariales. El grupo de expertos que ha elaborado el nuevo texto cree que las remuneraciones deben ser adecuadas "para atraer y retener a los consejeros del perfil adecuado", pero también recuerdan que los contratos tienen que incorporar los mecanismos precisos "para evitar la asunción excesiva de riesgos y la recompensa de resultados desfavorables".
En concreto, en lo que se refiere a los finiquitos, el nuevo código (entra en cumplimiento en los informes que manden las empresas a principios de 2016 correspondientes al ejercicio 2015) pide a las compañías que cumplan (y de lo contrario que explique por qué no lo hacen) la siguiente recomendación: "que los pagos por resolución del contrato no superen un importe establecido equivalente a dos años de la retribución total anual y que no se abonen hasta que la sociedad haya podido comprobar que el consejero ha cumplido con los criterios de rendimiento previamente establecidos". La pelota queda ahora en el tejado de las empresas.

ONG Contas Abertas faz apelo para Cedraz não ser reconduzido à Presidência do TCU, por Gabriel Garcia

Presidente (e filhote) do T.C.da União, Aroldo Cedraz. Foto: ABr
O presidente da organização não-governamental (ONG) Contas Abertas, Gil Castelo Branco, apela aos ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) para não reconduzirem Aroldo Cedraz presidente do Tribunal, na eleição que ocorrerá na próxima quarta-feira, 2 de dezembro. Em uma rede social, Castelo Branco destaca a interferência do advogado Tiago Cedraz, filho do ministro Aroldo, em decisões que beneficiam o empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC.
Tiago foi citado em depoimento de delação premiada do empreiteiros investigado na Lava Jato. Conforme o empresário, o filho do ministro recebeu pagamentos de R$ 50 mil mensais para repassar à empreiteira informações do tribunal que envolvessem seus interesses. Além disso, foi contratado pela UTC para atuar num caso sobre a Usina de Angra 3, que discutia licitação para obras de R$ 2 bilhões. O escritório de Tiago, segundo Pessoa, negociou pagamento de R$ 1 milhão.
“A denúncia é gravíssima, pois cria dúvida sobre a credibilidade da maior corte de contas do país”, garante Castelo Branco. “O Tribunal de Contas da União pertence à sociedade brasileira e, sem dúvida alguma, ela tem o direito de exigir que não exista qualquer suspeita de tráfico de influência, vendas de decisões ou qualquer outra conduta que esteja relacionada ao presidente do Tribunal.”
Respeitado no Brasil pelo trabalho de fiscalização da corrupção em órgão públicos, Castelo Branco defende o amplo direito à defesa e ao contraditório à família Cedraz. “No plano institucional, contudo, é preciso impedir que suspeitas e denúncias ainda não afastadas possam colocar em dúvida a credibilidade do TCU”, avalia.

Culpas, desculpas, responsabilidades, por Ana Maria Machado

Rio Doce (Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo)
Rio Doce (Foto: Daniel Marenco)
Ali o rio corrente
De meus olhos foi manado
(Luís de Camões — “Sôbolos rios que vão")
Sou carioca, mas tenho fortes raízes capixabas. Fui sempre a Linhares desde pequena. Antes mesmo de haver a ponte sobre o Rio Doce, cruzávamos as águas em canoa escavada num tronco. Os carros esperavam a travessia de balsa, em longa fila na estrada quase engolida pela majestosa Mata Atlântica. Saíamos de canoa a caminho do Rio Pequeno, o São José, íntimo e cristalino, que desaguava no Doce e nos levava à sua nascente, na Lagoa Nova, espelho líquido a refletir o céu e a mata. Apenas uma das lagoas deslumbrantes da região, como a Juparanã e a das Palmas, ligadas por riachos que ajudam a compor o grande rio. E suas grandes árvores, bromélias, epífitas, arbustos. Seus pássaros, macacos, pacas, capivaras, tatus, veados, jaguatiricas, onças. Já evoquei esse paraíso, no romance “Tropical sol da liberdade”.
O Rio Doce é parte do tecido de minha vida. A notícia da catástrofe ocorrida com ele me abalou tanto que fiquei incrédula, à espera de algum desmentido que não veio. Não era pesadelo. As notícias só confirmavam o horror. Agora o lamaçal da morte chega ao mar... Aos manguezais e recifes que fazem desse litoral um berçário.
Entre dor e indignação, alguns fatos se impõem à minha ignorância no assunto. Quer dizer que exportar minério e gerar riqueza para o país passa obrigatoriamente por criar rejeitos tóxicos a serem lançados nos rios? 
Precisam antes ser armazenados em barragens que destroem as matas e pavimentam a terra? Qual o limite? Até quando se espera que o veneno continue se acumulando por trás de uma barragem? Mineração não supõe apenas cavar a terra para ir buscar o minério? Ou algo como o trabalho numa pedreira?
Vamos descobrindo como fomos mantidos em criminosa inocência, a nos transformar em cúmplices silenciosos. Como é que nunca desconfiamos disso? 
Por que nunca nos contaram que esse era o preço a pagar?
Começa então a execração dos culpados, um dos esportes nacionais favoritos: a caça ao bode expiatório. Culpa da Dilma, que foi ministra de Minas e Energia. Culpa de Aecim, que foi governador de Minas. Culpa da empresa, que é gananciosa. Culpa do capitalismo, que é mesmo culpado de tudo. Culpa do Fidel, como ensinou aquele filme. Culpa de coxinhas e petralhas, de gregos e troianos. De todo mundo e de ninguém.
Tudo bem, quem tem culpa que pague. Mas não paremos aí. Quero tentar entender as responsabilidades, mais que as culpas. Culpado se arrepende (até com sinceridade), pede desculpas, é punido, e pronto. Responsabilidade é mais difuso e mais complicado. Recai sobre uma situação geral, construída há muito tempo. Tanto, que se faz uma espécie de acordo coletivo para esquecer. Em 2007 Lula, na Presidência, afirmou que, se pudesse, acabava com o Ibama porque a preocupação com os bagres estava atrasando hidrelétricas no Rio Madeira. Em 2009, voltou à carga — dessa vez tendo como alvo a perereca — em piadas chulas de duplo sentido. Dos conflitos de Dilma com Marina por questões ambientais estamos todos lembrados. Ser verde era ser ridículo e antipatriota. Legal mesmo é ser desenvolvimentista, e poder exibir slogan de propaganda do governo ao sobrevoar desastre em helicóptero.
Mas o Executivo não é o único leviano e irresponsável. O Congresso é pior. Cede a todo tipo de pressão, afrouxa os cuidados com o meio ambiente, cada vez permite mais desmatamento, protege menos os rios. Basta dizer que, se uma fiscalização houvesse constatado falhas graves na barragem ou no plano emergencial, a legislação em vigor não prevê a interdição da operação, apenas multa. Nada que um dinheirinho não resolva logo. Falta o Congresso elaborar todas as leis complementares nesse setor, coisa que há anos empurra com a barriga.
E quem fiscalizou? Como? Foi lá ver? Ou apenas conferiu documentos apresentados? Quem monitorou? Como? Sabe-se lá se havia areia misturada ao cimento para superfaturar? Dá para confiar? Há mais de 700 dessas barragens no Brasil, quase 400 só em Minas. Várias são de alto risco, agora ficamos sabendo. O número de fiscais é ínfimo. Há concursados esperando nomeação. Mas de aspones, assessores inúteis e sem concurso o país é recordista mundial. O Congresso até planeja construir um prédio novo para os seus. A sociedade deve gostar, porque elege e reelege quem trilha esses caminhos fisiológicos.
Dá nisso. Quem mata uma paca vai preso, crime inafiançável. Quem destrói todo um ecossistema, mata toda a fauna e flora, só paga uma multa. Que lei é essa? Que gente somos nós?
Francamente, não dá para apenas apontar e multar um único culpado. Este é o país que estamos fazendo. Uma criação coletiva. De consequências coletivas. Lembrando John Donne: os sinos dobram por todos nós. Um bando de gente desinformada que não sabia de nada. Como insiste agora em não ver a porcariada das praias do litoral carioca, com esgoto in natura avançando mar adentro. Ou assiste ao mosquito da dengue passar a ser também o da microcefalia.
É mesmo de desanimar. Talvez só reste chorar.

Ponto Final, por Ancelmo Gois

Lava-Jato
A Lava-Jato provoca nova onda de humor na internet. A coluna pinçou duas piadinhas que circulam desde as prisões de Delcídio Amaral e André Esteves, quarta (25). 
Uma é essa montagem de fotos que mostra o agente da PF Newton Ishii ao lado de quase todos os presos ilustres, como José Dirceu. 
E com ela segue o, digamos, conselho: “Se esse japonês tocar a campainha da sua casa às 6h da manhã não abra.”
Aliás, o papagaio de pirata ganhou o apelido de... Takageral Nacadeia
Mas o “nosso herói”, além de responder a processo por corrupção e já ter sido preso pela suspeita de integrar uma quadrilha de contrabando, é acusado de ter repassado para Esteves a delação premiada, ainda não homologada, de Nestor Cerveró.

E mais...
A outra galhofa simula como teria sido a conversa entre Delcídio e o agente que o prendeu. Veja:
— Vossa Excelência está preso. Por favor, me acompanhe.
— Eu tenho direito a um advogado.
— Sim, ele já está preso ali na viatura.
— Tenho direito a um telefonema. Preciso falar com meu assessor.
— Nem precisa telefonar, senhor. Ele também está preso na viatura da frente.
— Talvez eu precise de dinheiro pra fiança.
— Seu banqueiro está na viatura de trás. Vamos embora!
Maldade!

sábado, 28 de novembro de 2015

Marina Silva - é ela! por Ilimar Franco

Marina Silva (Foto: Marcelo Andrade / Gazeta do Povo)
Marina Silva (Foto: Marcelo Andrade / Gazeta do Povo)
Com desempenho surpreendente em 2014, Marina seria a principal adversária de Aécio se a eleição presidencial fosse hoje. Apenas ela poderia evitar desfecho no 1º turno. Aecistas têm pesquisas que apontam nessa direção.
Ela é um símbolo da rejeição aos partidos. Analistas registram que ela está passando ao largo, sem desgaste, da refrega PT x PSDB, em torno dos escândalos da Petrobras e de Eduardo Cunha. 

Cartas de Buenos Aires: A mudança e o medo, por Gabriela G. Antunes--Jornalista.

O governo mudou mas a preocupação na Argentina persiste (Foto: Arquivo Google)
O governo mudou mas a preocupação na Argentina persiste
Enquanto nós correspondentes internacionais, que trabalhamos como loucos nesta eleição (para um jornalista, uma eleição presidencial é o equivalente a uma Olimpíada para um atleta), tentamos recuperar o sono a conta gotas, os argentinos vão se acostumando ao novo Presidente. 
Mauricio Macri, um ex-cartola do futebol local, ex-deputado e ex-prefeito de Buenos Aires, derrotou nas urnas o candidato de Cristina Kirchner, Daniel Scioli, e é o novo mandatário argentino. É o fim de 12 anos do Governo dito de esquerda por aqui.
A campanha do “medo” desenhada por marqueteiros brasileiros de Scioli parece começar a ter efeito agora.  Durante a campanha, o candidato de Cristina jogou com o temor dos argentinos de perder os subsídios (água, luz, gás e transporte), com o receio de novos endividamentos externos, com a alta do dólar e a perda dos planos sociais. “Se viene el tarifazo”, é o rumor na capital, algo que o novo Presidente se esquiva com “será tudo gradual”.
Não sei se o argentino conhece o conceito de “mudanças graduais”. Todas as mudanças aqui são forjadas a ferro e fogo, de um dia para o outro, sem anestesia. 
Foi um ano difícil para os argentinos, principalmente graças à inflação. Embora o Governo não assuma, as consultorias econômicas chegam a taxá-la em até 30%. 
“É um país, não uma empresa”, disse Cristina em clara mensagem ao novo Presidente eleito, que tem perfil empresarial.
Nós por aqui começamos a ver que não será uma transição suave. Cristina, antes de entrar na nave do show da Xuxa e se despedir dos baixinhos, vai alfinetar bastante o novo Governo. 
Mauricio Macri assume em 10 de dezembro e, paradoxalmente, muita gente tem medo justamente do que ele propôs quando era candidato (“Cambiemos”, era o mote da campanha).
As urnas demonstraram que a população está dividida, mas a maioria, a que deu a vitória a Macri, parece estar cansada dos 12 anos de kichnerismo, embora tema a perda dos subsídios, dos planos sociais...
Para os turistas, por enquanto, nenhuma alteração. Buenos Aires está cara, mas o câmbio ainda compensa. Um real no mercado negro chega a valer uma média de 4 pesos.
O jornal El País publicou uma matéria em que os brasileiros residentes na Argentina comparavam Macri a Aécio Neves.
Ainda de acordo com El País, os 41 mil brasileiros que vivem na Argentina têm medo das mudanças que vem por aí. Muitos estudantes de medicina escolheram o país justamente pelo custo de vida.
Agora, eles temem as incertezas de uma nova gestão. Nesse aspecto, eles se identificam com os 42 milhões de argentinos.

Arte de CHICO Caruso

Charge (Foto: Chico Caruso)

Emoções a venda, por Erick da Silva Cerqueira

O mais triste dessas duas tragédias foi o debate que se instaurou nas redes sociais: qual a tragédia mais importante? A resposta é simples: a mais divulgada. Nos tempos de hoje a pauta jornalística define as emoções e (em muitos casos) as reações do público às notícias. Muito além de informar, a imprensa virou uma fábrica de sentimentos direcionados a favor das suas linhas editoriais. É simples. Se você quer odiar o governo, assine Veja. Se você quer continuar defendendo-o, assine já a CartaCapital.
No alvo da imprensa, o pobre do consumidor. Ele se orienta cada vez mais pelas redes sociais, é verdade, e por vezes compartilha mentiras absurdas apenas porque o título representa o que ele sente, sem se importar muito se a notícia é falsa ou verdadeira. Mas quando a matéria recebe o carimbo de O Globo, Folha, Veja, CartaCapital, bem… aí é verdade absoluta e inquestionável.
Um banquete de atentados
Ironicamente, nessa fábrica de emoções, a morte perdeu o poder de emocionar. As pessoas discutem se as vítimas de Mariana devem ou não ter mais importância que as vítimas dos atentados franceses. Uma funesta hierarquia dos mortos. A mídia festeja a morte. Paz não vende jornal, diria um amigo. Manda jornalistas pra todos os lados, tomando chuva, pisando na lama, no enterro dos franceses, na Síria. Um show de reportagem. Essa imprensa urubu nem tenta esconder o prazer que sente em cobrir as tragédias, chacinas, atentados. A informação, porém, vem retocada das opiniões das linhas editorias. Certa vez o jornalista Carlos Alberto Sardenberg fez malabarismo para culpar Lula pela crise econômica na Grécia. Assim também, parecem esquecer que a França está em guerra com o Estado Islâmico há meses, o que, apesar de não justificar, explicaria os motivos desse atentado.
Eis que no meio desses interesses midiáticos em plantar as nossas emoções surge o Google. Numa rápida pesquisa descobrimos que seria preciso um atentado, como o da França, todos os dias, para igualar o número de brasileiros assassinados em nosso país. A média de 2014 foi de 143 homicídios diários. Porém, o Facebook não fez bandeirinha. Não houve nenhuma matéria dura do Domingo Espetacular sobre isso, ou do SBT Repórter. Os governantes não apresentaram nenhuma solução e o povo vem pedir o fim do Estatuto do desarmamento para que cidadãos de bem possam andar armados novamente.
Vivemos num mundo de emoções, com pessoas cada vez menos racionais. Uma imprensa que vende ideias e semeia sentimentos, ao invés de informar. Um tempo de crises política, econômica, social, ética, ideológica e religiosa. Um país com pessoas cada vez mais racistas, retrógradas, omissas, xenófobas e homofóbicas. Tempos em que um pastor evangélico ri dos atentados para criminalizar a religião alheia. Em que notícias sobre desemprego e crise econômica são passadas em meio a risos pelos âncoras. Um país que #prayForParis mas é contra o Bolsa Família. Um Brasil “de esquerda” com Joaquim Levy na Fazenda. Uma imprensa que se alimenta das mortes dia-a-dia e se banqueteia com atentados. E a presidente vai ao local de um desastre ecológico, onde morreram vários brasileiros, e sua principal citação são as pesadas multas que serão impostas aos causadores daquela sujeira.
Que venha 2016. 2015 já deveria ter acabado.
***
Erick da Silva Cerqueira é publicitário

O mito interesseiro da “autorregulação”, por George Monbiot--Tradução: Gabriel Filippo Simões

151126-Autorregulação2
Aos poucos, Estados transferem poder de regulamentar vida econômica e financeira aos “mercados”. Se não for freada, tendência destruirá direitos sociais e natureza--Imagem: Jack Livine
O que os governos aprenderam com a crise financeira? Eu poderia escrever uma coluna falando sobre isso. Ou poderia explicar com uma única palavra: nada.
Na verdade, nada é muito generoso. As lições aprendidas são contra-lições, anticonhecimento, novas políticas que dificilmente poderiam ser melhor concebidas para assegurar a recorrência da crise, dessa vez com acréscimo de impulso e menos remédios. E a crise financeira é apenas uma das múltiplas crises – de arrecadação, gasto público, saúde pública e, acima de todas, ecológica – que as mesmas contra-lições fazem acelerar.
Volte um pouco atrás e você verá que todas essas crises têm origem na mesma causa. Atores com grande poder e alcance global são liberados do império das leis. Isso acontece devido à corrupção fundamental no núcleo da política. Em quase todas as nações, os interesses das elites econômicas tendem a pesar mais na balança dos governos do que os interesses do eleitorado. Bancos, corporações e proprietários de terras exercem um poder enigmático, operando silenciosamente entre os membros da classe política. A governança global está se tornando algo semelhante a uma reunião infinita do Clube de Bilderberg1.
O professor de direito Joel Bakan, num artigo no Cornell International Law Journal, argumenta que dois movimentos alarmantes estão acontecendo simultaneamente. De um lado, os governos vêm revogando leis que restringem a ação de bancos e corporações, sob o argumento de que a globalização enfraquece os Estados, tornando impossível uma legislação efetiva. Como alternativa, eles dizem, nós devemos confiar na autorregulação daqueles que exercem o poder econômico.
Por outro lado, os mesmos governos concebem novas leis draconianas para fortalecer o poder da elite. Às corporações são dados os direitos de pessoas físicas. Seus direitos de propriedade são reforçados. Aqueles que protestam contra elas estão sujeitos ao controle e à vigilância policial. Ah, o poder do Estado continua muito bem a existir – quando é conveniente…
Muitos de vocês já terão ouvido falar sobre a Parceria Transpacífica (TPP) e da proposta da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP). São, supostamente, acordos de comércio – mas pouco têm a ver com comércio e, sim, com poder. Ampliam o poder das corporações, enquanto reduzem o poder dos parlamentos e do Estado de Direito. Tais acordos não poderiam ser melhor concebidos para exacerbar e universalizar nossas múltiplas crises – financeira, social e ambiental. Mas algo ainda pior está por vir, o resultado de negociações conduzidas, mais uma vez, em segredo: um Acordo sobre o Comércio de Serviços (TiSA), cobrindo a América do Norte, a União Europeia, Japão, Austrália e muitas outras nações.
Apenas através do Wikileaks temos alguma ideia do que está sendo planejado. Este acordo poderia ser usado para forçar nações a aceitar novos produtos e serviços financeiros, a aprovar a privatização de serviços públicos e a reduzir os padrões de precaução e provisão. Esta parece ser a maior agressão à democracia arquitetada nas últimas duas décadas. O que significa muito.
O Estado, em sua autoflagelação, proclama que não tem mais poder. Ao mesmo tempo, aniquila sua própria capacidade de legislar – doméstica e internacionalmente. Como se a última crise financeira não tivesse ocorrido, e como se não estivesse ciente de sua causa, o ministro das Finanças britânico, George Osborne, em seu mais recente discurso na Prefeitura de Londres, disse à sua plateia de banqueiros que “a principal exigência na nossa renegociação é que a Europa interrompa a regulação onerosa e prejudicial”. O primeiro-ministro David Cameron vangloriou-se de comandar “o primeiro governo na história moderna que, ao fim de sua legislatura, possui menos regulações em prática do que havia no começo”.
Isso, num mundo de crescente complexidade e onde crescem os crimes corporativos, é pura imprudência. Mas não tenha medo, eles dizem: o poder econômico não precisa se sujeitar ao Estado de Direito. Ele consegue se regular por si próprio.
Alguns de nós há tempos suspeitamos que isso seja uma grande tolice. Mas, até agora, a suspeita era tudo que tínhamos. Esta semana foi publicada o primeiro estudo global sobre autorregulação. Tal estudo foi encomendado pela Britain’s Royal Society for the Protection of Birds2, mas se estende a todos os setores, desde agentes de pequenos empréstimos até criadores de cães. E ele mostra que em quase todos os casos – 82% dos 161 projetos avaliados, medidas voluntárias fracassaram.
Por exemplo, quando a União Europeia buscou reduzir o número de pedestres e ciclistas mortos por veículos, a instituição poderia ter simplesmente votado uma lei instruindo os fabricantes de automóveis a mudar o design dos para-choques e capôs, a um custo aproximado de 30 por carro. Ao invés disso, confiou-se num acordo voluntário com a indústria. O resultado foi um nível de proteção 75% menor do que uma lei teria induzido.
Quando o governo do País de Gales introduziu uma cobrança de 5 centavos para sacolas plásticas, o seu uso foi reduzido em 80% de um dia para outro. O governo inglês afirmou que a autorregulação por parte dos varejistas apresentaria o mesmo efeito. O resultado? Uma grande redução de… 6%. Depois de sete anos desperdiçados, o governo sucumbiu à lógica óbvia e introduziu a cobrança.
Projetos voluntários para coibir a publicidade de junk food para crianças na Espanha, para reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa no Canadá, para economia de água na California, para salvar albatrozes dos barcos de pesca na Nova Zelândia, para a proteção de pacientes de cirurgias plásticas no Reino Unido, para impedir o marketing agressivo de remédios psiquiátricos na Suécia: apenas fracassos. O que o Estado poderia ter feito com uma simples canetada, com baixo custo e de maneira eficiente é deixado de lado em prol de ações desastradas das indústrias que, mesmo quando sinceras, são minadas por aproveitadores e oportunistas.
Em diversos casos, as empresas imploraram por novas leis que elevassem os padrões na indústria. Por exemplo, aqueles que produzem embalagens plásticas para silagem para fazendeiros tentaram fazer com que o governo do Reino Unido elevasse a taxa de reciclagem. Empresas de jardinagem queriam regulamentações para eliminar gradualmente o uso de turfa. Os governos recusaram. Teria sido o resultado de ideologia cega ou escusos interesses próprios – ou ambos? Os maiores doadores de partidos políticos tendem a ser os piores empresários, usando seu dinheiro para manter as más práticas legais (vide o caso Enron).
Como os partidos que eles financiam se curvam aos seus desejos, todos são forçados a adotar seus baixos padrões. Suspeito que os governos, assim como qualquer um, sabem que a legislação é mais eficiente e eficaz que a autorregulação e que por isso mesmo não a empregue.
Imobilizar o eleitorado, liberar os poderosos: essa é a fórmula perfeita para uma crise multidimensional. E nós estamos colhendo seus frutos.
1N. T.: As reuniões do Clube de Bilderberg acontecem anualmente com o objetivo de fomentar os diálogos entre EUA e Europa. A conferência conta com a presença de líderes políticos, acadêmicos, empresários discutindo informalmente tendências globais. A lista dos participantes é divulgada, mas ninguém tem acesso ao conteúdo da conferência. Mais em: http://ow.ly/V5rzK.
2 N. T.: Sociedade Real Britânica de Proteção dos Pássaros

O PT e a Lei de Murphy, por Hélio Chaves





Podemos até não acreditar nos efeitos da Lei de Murphy para tudo, mas o Partido dos Trabalhadores é prova viva de que ela faz sentido. O PT tem experimentado no dia a dia, desde que passou de oposição a situação os efeitos dessa lei, que tem sido implacável com alguns dos seus “valorosos quadros” e não o tem poupado também em momentos de turbulência política e econômica conjunturais.
Diz a Lei de Murphy: “se alguma coisa pode dar errado, dará. E mais, dará errado da pior maneira, no pior momento e de modo que cause o maior dano possível”.
Como avalistas do pensamento “murphyniano”, o governo, parlamentares e direção partidária deram início a mais um ciclo de trapalhadas. O líder do governo no Congresso, senador José Pimentel PT, baseado no regimento da Casa defendeu o voto secreto, na tentativa de salvar a pele de Delcídio do Amaral, preso por ser acusado de tentar “melar” a Lava-jato. A posição de Pimentel foi derrotada pelo plenário do Senado e nove senadores do partido tiveram seus votos expostos ao optarem pela liberação de Delcídio. Ficaram mal na foto e nas bases.
A última bomba a ser desarmada agora é uma bancada revoltada, que se sente traída por Rui Falcão, presidente nacional do partido e pelo próprio Palácio do Planalto. Senadores acreditam que o governo e o PT tiraram o corpo fora, os deixaram em maus lençóis e que a bomba explodiu mesmo foi no colo deles.
A pior parte da previsão de Murphy ainda estava por vir e desabou mesmo sobre a cabeça da bancada petista quando souberam da nota que negava solidariedade a Delcídio Amaral, justamente por um dos mais vorazes adversários do PT e do governo Dilma Rousseff no Senado: o senador Ronaldo Caiado do DEM, que leu a nota do PT e deu as boas novas para os petistas em alto e bom tom, diretamente do plenário.

Delcídio: Dilma já conhecia Cerveró de longa data, por Jorge Bastos Moreno


Em seu depoimento a Polícia Federal, o senador Delcídio do Amaral disse que, quando ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff pediu indicações sobre Nestor Cerveró. Apesar disso, Delcídio afirmou que Dilma já conhecia Cerveró da época em que era secretária no governo de Olivio Dutra, no Rio Grande do Sul. 


Dilma e Cerveró

Eis a íntegra do depoimento de Delcídio do Amaral à Polícia Federal:
Ao(s) 26 dia (s) do mês de novembro de 2015, nesta Superintendência Regional no Distrito Federal, em Brasília (DF), onde presente se encontrava Thiago Machado Delabary, Delegado de Polícia Federal, 1ª classe, Matrícula (DPF) nº 13.538, lotado(s) e em exercício na GINQ/DICOR, compareceu Delcídio do Amaral Gomez, sexo masculino, nacionalidade brasileira, casado, filho de MIGUEL GOMEZ e ROSELY DO AMARAL GOMEZ, nascido aos 08/02/1985, natural de Corumbá (MS), instrução terceiro grau completo, profissão Senador da República, documento de identidade nº 46900135/SSP/SP, CPF 011.279.828-42, residente no SHTN, FLAT ALV BLEU TREE TOWER, 2090, bairro ASA NORTE, Brasília/DF. Cientificado acerca dos seus direitos constitucionais, inclusive o de permanecer calado, inquirido(s) a respeito dos fatos pela Autoridade Policial, RESPONDEU: que no ano de 1999 o declarante foi nomeado Diretor de Gás e Energia da Petrobrás, permanecendo no cargo até o final de 2001; que assumiu tal cargo atendendo a convite do então Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, o qual lhe foi transmitido por Rodolpho Tourinho, que à época estava à frente do Ministério de Minas e Energia e era Presidente do Conselho de Administração da Petrobrás; que atribui esse convite a experiência profissional como engenheiro elétrico, eis que havia trabalhado em diversas empresas da área de energia e, além disso, havia sido Ministro de Minas e Energia no Governo Itamar Franco: que, ao deixar a Diretoria de Gás e Energia, o declarante assumiu a Secretaria Estadual de Infraestrutura no Mato Grosso do Sul, permanecendo no cargo por curto período, uma vez que se desincompatibilizou para fins de candidatura ao Senado pelo Partido dos Trabalhadores; que, em 2002, foi eleito Senador da República pelo Estado do Mato Grosso do Sul e reeleito em 2010; que, atualmente, portanto, encontra-se no cumprimento do segundo mandato; que conhece Nestor Cerveró desde a época em que trabalhou na Petrobrás, esclarecendo que a área em que ele atuava dentro da empresa (Gerência Executiva de Energia) ficava subordinada à Diretoria de Gás e Energia; que, quando o declarante deixou a Petrobrás, Nestor Cerveró permaneceu lá, na mesma Gerência; que, salvo engano, em 2003 ou 2004, Nestor Cerveró assumiu a Diretoria Internacional; que o declarante foi consultado pela então Ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, acerca da possível nomeação de Nestor Cerveró como Diretor Internacional, tendo se manifestado favoravelmente, em face da experiência que tiveram conjuntamente no âmbito da Diretoria de Gás e Energia; que acrescenta que a então Ministra Dilma Rousseff já conhecia Nestor Cerveró desde a época em que ela atuou como Secretária de Energia no Governo Olívio Dutra no Rio Grande do Sul; que, como a área de exploração de gás era bastante desenvolvida naquele Estado, havia contatos permanentes entre a Diretoria de Gás e Energia da Petrobrás e a Secretaria comandada pela Dilma Rousseff; que tomou conhecimento dos fatos que levaram Nestor Cerveró à prisão, especialmente os relacionados à compra da refinaria de Pasadena pela Petrobrás, salvo engano entre os anos de 2005 e 2006; que o declarante não teve qualquer participação na negociação que redundou na compra da refinaria de Pasadena pela Petrobrás, acrescentando que na época era Presidente da CPI dos Correios e, em razão de sua atuação rigorosa na investigação, passou a enfrentar restrições no âmbito do Governo Federal e, especialmente, no Partido dos Trabalhadores; que nunca teve qualquer participação na aquisição de sondas pela PETROBRÁS; que as decisões que determinavam as compras de refinarias e sondas, por exemplo, eram bastante complexas e baseadas em análises técnicas, o que evidentemente não elimina eventual desvio de finalidade; que, perguntado se tinha ou tem algum interesse na soltura de Nestor Cerveró, afirmou que sim, substancialmente por motivos pessoais em razão de ter trabalhado com ele na Petrobrás, por conhecer a família e presumir o sofrimento a que vinha sendo submetido, ou seja, por questões humanitárias; que, perguntado se tomou conhecimento de negociação mantida entre Nestor Cerveró e membros do Ministério Público Federal, voltada à celebração de acordo de colaboração, afirmou que sim, apenas pela imprensa; que acompanhou o desenrolar da negociação encetada por Nestor Cerveró, pela imprensa, com o mesmo interesse dispensado às demais; que acrescenta que teve uma experiência negativa decorrente de acordo de colaboração firmado por Paulo Roberto Costa, ex-Diretor de Abastecimento da Petrobrás que, segundo o declarante, lhe custou as eleições ao Governo de Mato Grosso do Sul; que, ao que lembra, Paulo Roberto Costa afirmou que teria ouvido rumores de que o declarante poderia estar relacionado a irregularidades no Programa de Geração de Energia da Petrobrás; que tal notícia foi encaminhada à Procuradoria-Geral da República e restou arquivada; que perguntado se um acordo de colaboração firmado por Nestor Cerveró lhe representava um temor, afirmou que não, reiterando que apenas mantinha acompanhamento pelas informações divulgadas na imprensa; que procedeu da mesma forma no tocante à colaboração de Paulo Roberto Costa; que, questionado se nos últimos três meses manteve contato com algum advogado que representava interesses de Nestor Cerveró, respondeu que sim, com Edson Ribeiro, com quem se encontrou em uma ou duas ocasiões a fim de tratar de créditos que ele afirmava dispor junto à Petrobrás; que ao menos um desses encontros deu-se no hotel Royal Tulip, em Brasília, no início do mês de novembro de 2015, salvo engano; que esclarece que os advogados que defendem interesses de Diretores da Petrobras são remunerados pela estatal, sendo que Edson Ribeiro havia defendido Nestor Cerveró em alguns processos e estava com com dificuldades de receber os correspondentes honorários; que o declarante foi procurado para que intercedesse junto à Petrobras nessa questão de pagamento de honorários; que nas reuniões mantidas com Edson Ribeiro houve a participação de Bernardo Cerveró, filho de Nestor Cerveró, com o propósito de expor ao declarante as dificuldades que seu pai vinha enfrentando; que, precisamente, Bernardo pretendia que o declarante, valendo-se de sua posição, buscasse conversar com os Ministros do Supremo Tribunal Federal a respeito de Habeas Corpus que estavam tramitando na Suprema Corte; que, apesar de ter afirmado a Bernardo que já havia estabelecido contato com alguns Ministros do STF , o declarante afirma isso não ocorreu e que se constituiu na verdade, em “palavras de conforto”; que o declarante esteve há cerca de um mês com o Ministro Dias Toffoli, a fim de tratar de assuntos institucionais relacionados ao TSE, os quais não guardam qualquer relação com Nestor Cerveró; que não falou nem esteve com o Ministro Teori Zavascki, nem com qualquer outro Ministro do STF; que não solicitou ao Ministro Dias Toffoli, nem ao Senador Renan Calheiros, tampouco ao Vice-Presidente da República Michel Temer que estabelecessem contato com o Ministro do STF Gilmar Mendes para tratar de assuntos relacionados à Nestor Cerveró; que não nega ter afirmado a Bernardo que providenciaria essa interlocução, mas, de fato, tratou-se de “palavras de conforto”, como já dito; que o declarante jamais procurou por qualquer Ministro do STF, conforme lhe fora solicitado por Bernardo Cervero, uma vez que tal iniciativa seria infrutífera; que o advogado Edson Ribeiro, que   estava presente na reunião, acreditava que o declarante poderia obter algum benefício no âmbito do STF relacionado ao Habeas Corpus que havia impetrado em favor de Nestor Cerveró; que perguntado sobre a pessoa de Tarcisio, referido em diálogo transcrito nos autos da Ação Cautelar 4.039, afirma que se rata de um servidor do Senado que está cedido ao STF e trabalha no Gabinete do Ministro Edson Fachin; que contrariando o que afirmara no diálogo, o declarante não manteve contatos com Tarcisio, tampouco com o Ministro Fachin; que questionado a respeito do contexto de informações constantes no diálogo transcrito nos autos da Ação Cautelar 4.039, que se inicia aos vinte minutos e quarenta e oito segundos, em que faz menções a “José Eduardo” e “STJ” diz respeito à conversa que havia mantido com o Ministro da Justiça na qual houve comentário por parte dele no sentido de que possivelmente haveria decisão favorável a Marcelo Odebrecht, em Habeas Corpus que tramitava no STJ; que perguntado se a entonação com que deu essa notícias relacionada ao STJ a Bernardo e a Edson Ribeiro era positiva, o declarante afirma que sim, que a considerava uma boa notícia, no sentido de incentivá-los; que, perguntado a respeito de menções que fizeram no mesmo diálogo acerca de Renato Duque, ex-Diretor de Serviços da Petrobras, afirma que não se recorda do contexto; que a respeito de um trecho do citado diálogo em que o declarante referiu preocupação de “Michel” com “Zelada”, esclarece que se referiu ao Vice-Presidente da República, Michel Temer, que, “segundo informações que se tinha na época, mantinha relação próxima com Jorge Zelada”; que, perguntado em que consiste essa proximidade, o declarante assevera que prefere não responder a tal indagação; que, perguntado se conhece Fernando Falcão Soares, vulgo Fernando Baiano, afirma que foi apresentado a ele, à época em que era Diretor na Petrobras, pelo empresário espanhol Gregorio Marin, representante de empresa da qual não lembra o nome; que, após isso, encontrou Fernando Baiano apenas em uma única oportunidade, de forma ocasional, na ante-sala do empresário Eike Batista, a quem havia ido visitar; que tomou conhecimento das declarações de Fernando Baiano que implicam o declarante, o que ocorreu, inicialmente, a partir de matérias veiculadas na imprensa e, passado algum tempo, por trechos dessas declarações que foram levadas à liderança do Governo no Senado, possivelmente através de algum servidor do Gabinete que as obteve com algum jornalista; que perguntado sobre o que versavam tais declarações, afirma que tinham como tema a aquisição de sondas pela Petrobras ou a compra da refinaria de Pasadena; que conhece o empresário André Esteves, CEO do Banco BTG Pactual, afirmando que já esteve com ele em algumas ocasiões em razão do declarante ser Presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado; que perguntado se nos diálogos transcritos nos autos ad Ação Cautelar 4.039 houve menções ao empresário André Esteves e em qual contexto, assegura que não se recorda; que não se vê em condições de confirmar se o “André” mencionado no diálogo que se inicia aos cinte e cinco minutos e cinquenta e cinco segundos, em que o declarante faz alusão à “operação dos postos” (vinte e sete minutos e quatorze segundos), afirma que não se recorda; que não se recorda se André Esteves já teve investimentos no setor de postos de combustíveis, sabendo apenas que ele já teve negócios relacionados à exploração de petróleo, na África; que, ao lhe ser lido o trecho do diálogo que vai de vinte e sete minutos e quatorze segundos a vinte e oito minutos e vinte e quatro segundos, em que há alusões a “André” e “banqueiro”, o declarante confirma que o assunto se relacionava ao empresário André Esteves; que , quanto às demais indagações que lhe seriam feitas a respeito desse trecho do diálogo, o declarante antecipa que permanecerá em silêncio, afirmando que buscará esclarecimentos a serem prestados futuramente; que, perguntado se a conversa narrada no diálogo, supostamente havida com André Esteves, realmente ocorreu, afirma que sim, e que não responderá a qualquer outra que lhe for feita, reservando-se, a partir de então, no direito ao silêncio; que, por fim, o declarante afirma que gostaria de ter outra oportunidade de prestar esclarecimentos após a detida leitura dos autos da Ação Cautelar nº 4.039, eis que não houve tempo hábil para tanto. Nada mais disse e nem lhe foi perguntado. Foi então advertido da obrigatoriedade de comunicação de eventuais mudanças de endereço face das prescrições do Art. 224 do CPP. Encerrado o presente que, lido e achado conforme, assinam com a Autoridade Policial, com o(a) Declarante, com seus advogados Mauricio Silva Leite, OAB/SP 164483, com escritório na Rua Doutor Renato Paes de Barros, 1017, 5º andar, Itaim Bibi, São Paulo/SP 254644, com o(a) Representante do Ministério Público Federal Marcello Paranhos de Oliveira Miller e com o Representante do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Sergio Bruno Cabral Fernandes e, comigo, Cristiane Rodrigues dos Santos, Escrivã de Polícia Federal, Classe Especial, Matrícula/DPF nº 10.946, lotado(a) e em exercício no(a) Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado – DICOR/DPF, que o lavrei.